Os pequenos grandes abusos que temos que aguentar

Tenho que fazer exames de sangue regularmente. Hoje quem me atendeu foi um enfermeirO. Me deu um oi meloso e perguntou qual o bracinho que eu preferia que ele picasse. Ao invés das batidinhas de praxe, ficou alisando meu braço. Se ajoelhou bem perto de mim (fez até uma reverência tipo Miguel Falabella) e disse que de braço abaixado minha veia ficaria mais fácil de acertar. Não acertou, ficou gemendo a cada cavucada da agulha debaixo da minha pele, perguntou se estava doendo umas três vezes. Estava doendo menos do que ter que aguentá-lo. Finalmente ele coletou meu sangue e eu pude ir embora. Sei que tenho uma veia difícil, mas até hoje nenhuma enfermeirA fez esse tipo de “procedimento” comigo.

Estava saindo da UFPR e dois malacos vieram na minha direção. Pensei: é agora que me assaltam. Me armo com um sorriso de nervoso, o tipo de sorriso que estampo quando me sinto ameaçada. Um deles passa bem perto de mim e diz “moça, você é muito linda” e minha reação é devolver o olhar e dizer “obrigada” e manter o passo apressado. Quando penso que ultrapassei os dois o outro me diz “moça, quer casar comigo?” e de longe eu digo “ não posso, já sou casada”. Atravesso a rua andando rapidamente e fico tensa e sigo por duas quadras olhando pra trás com medo que eles estivessem me seguindo. Ainda bem que não. Fiquei achando que eles podiam ter entendido como uma abertura e achado que essa atitude é bem legal, mas na hora tb fiquei com medo de baixar a cabeça ou de responder mal e eles terem uma reação agressiva. É ruim de todo jeito.

Paro para atravessar outro sinal. Começa a chover e abro a bolsa pra pegar meu guarda chuva, quando chega um colega da universidade dizendo “ai, que bom! Vc tem…”. Penso rápido e ao invés de tirar o guarda chuva tiro meu casaco. “Ah, pensei que ia pegar uma caroninha”. Não que ele me representasse uma ameaça, mas depois das experiências anteriores tudo que eu menos queria era ficar apertadinha debaixo de um guarda chuva com um cara que eu mal conheço.

Foi um dia difícil. Foi um dia em que eu desejei ter nascido homem.