a vida é assim

{pra ler escutando Saturn – Sleeping at last}

aqueci minhas mãos no teu corpo e sem que precisasse não falei nada, os meus olhos que me enxergavam pelo seu {nos poucos segundos que conseguia te fitar sem que a vergonha aparecesse} te contavam, por si sós, o quão envolvida eu estava. você sorriu, tanto um quanto sem graça porque não sabia o que falar e muito menos corresponder. foi tão fácil perceber que o amor bateu em sua porta e você nem notou. quando não devia pensar, somente amar, você pensou. escondeu-se covardemente atrás de uma muralha com milhões de desculpas irrisórias. talvez fossem apenas uma demonstração de medo. mas você deveria saber que não há tempo que volte. o pior é que eu também sei que você nem quer voltar, mas deixa eu escrever os meus textos do jeito que quiser. você apenas acreditou que aquele momento não era para ser, não daria certo. mas para quem quer, desculpinha é uma palavra inexistente no dicionário. eu queria te dar o mundo, e quando estava dando a oportunidade de desbravar o meu, você se foi. é um tal milagre encontrar, em meio há tantos desencontros amorosos, alguém que queira ficar. alguém que te aceite. que te queira. e eu te quis. você não, mas tudo bem. a vida é assim.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nathália Teles’s story.