Se eu fosse negra…

Meu avô materno era negro, meu pai é negro, eu não.

Não, sou mulata, não sou parda, não sou negra; não tive esse direito. Minha certidão de nascimento diz que eu sou branca. A certidão de “nascimento” do meu pai também diz que ele é branco, mas essa é mais especial. Não apaga só a etnia dele, apaga seu primeiro nome, sua primeira data de nascimento e minha história também.

Meu pai dizia que a mãe dele era indígena, e seu pai era egípcio. Isso faria de mim qualquer coisa que não branca, se não fosse minha mãe, cujo pai mulato e racista e a mãe filha de colonos portugueses, loira de olhos verdes, faz de mim uma brasileira típica, mestiça.

Mas ao me dizer mestiça, não precisava me preocupar em ser negra, certo? Errado! Pra mim, que não tenho como desenhar árvore genealógica, importa saber da minha raiz negra, da minha raiz vermelha, da minha raiz semita. Pra mim, que não tenho como desenhar árvore genealógica, importava ter respeitados os costumes e fés dos meus ancestrais, importa e muito ter ouvido que fizeram promessa pra eu não nascer com cabelo ruim, que índio é tudo folgado, que só o Deus cristão valia.

Pra mim, importa saber que meu nariz achatado não é “de cheirar pum” não é “de batata”.

Importa não dizerem que quando fico nervosa posso explodir as pessoas. Importa, não olharem o tamanho da minha bunda na rua, Importa e incomoda não conhecer os heróis da resistência à escravidão, fossem eles índios ou negros. Importa não saber de que parte do que eu sou foi negada, considerada suja, perigosa, imoral. Importa não conhecer os deuses dos povos dos quais descendo.

Se eu fosse negra, como seria? Como seria conhecer a música, a cultura, os heróis, a beleza, a comida, o meu sobrenome, os países dos quais descendo, além de Portugal.

Se eu pudesse ter sido negra, será que teria ficado triste quando meu cabelo liso se tornou ondulado? Se eu pudesse ter sido negra será que conheceria mais música, arte dança, outras coisas além do que conheci?

Se eu pudesse ter sido negra, será que afirmaria tanto meu lado semita? Será que teria as mesmas musas?

Como seria a vida se eu pudesse ser negra?

Like what you read? Give Nathalia Marques dos Santos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.