Sobrevivendo

Porque eu posso ter o mundo todo nas mãos e mesmo assim não entender o que significa nada. A gente não pensa como anda para andar, não pensa como fala para falar, não lembra quais sinapses exatas que o cérebro faz para podermos sobreviver e tampouco, como alguém pode chegar e em pouco tempo causar efeito sobrenatural dentro de si mesma. Uma surpresa gera entusiasmo, mas o depois, agonia.

Em meio a escuridão, tente ser luz.

A espera pode ser demorada, há quem goste do processo porque quando o que se aguarda vem, sabe-se que é uma ciência exata. Talvez. Pelo outro lado, esse tempo de suspense causa idealizações, paranoias e cansaço.No fundo, sabemos que quando tiver que ser será. Mas, o que fazer para acalmar os ânimos nesse período. Ler um livro, assistir seriado, passear, conversar com uma amiga, orar, falar com Deus. Todas essas coisas são listadas no momento de desespero. E não estou aqui pra dizer que elas não dão certo porque dão sim.

Há um momento em que parecem não funcionar, mas é aí que funciona. Mas, você se mantém até a hora em que para pra pensar em como as coisas tomam seu ciclo. É aí que você se desequilibra porque percebe como seu corpo se move, embrulha as palavras porque lembra como a linguagem funciona, repara em como o cérebro age se você o reeducar e percebe o efeito catastrófico da chegada de alguém que te conhece tão pouco e mesmo assim faz questão de abalar todas as suas estruturas.