Mudanças

Eu me lembro muito bem do nosso primeiro encontro. Dois seres sem intimidade alguma, gestos estabanados, conversas sobre banalidades e as perguntas básicas feitas quando se quer conhecer um outro alguém. Em pouco tempo tudo isso mudou; já me sentia em casa com você, adentrava o recinto sem cerimônia, te falava sobre minha vida. Você entendeu meu medo no início e foi com calma. Suas mãos aprenderem como deviam me tratar. Difícil aceitar que agora você decidiu dar um ponto final ao que tínhamos.

Já saí com os olhos vermelhos após passar algum tempo com você, você me viu em situações que eu nunca ousaria mostrar para ninguém mais. Chorei na sua frente. Nas suas crises de ciúme, você colocava defeito nas pessoas que você considerava que poderiam me roubar — e eu achava graça. Admito: não sei como vou te substituir na minha vida.

Salete, minha depiladora querida, por que você tinha que pedir demissão para abrir seu salão na Pompeia?!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.