Sobre histórias esquecidas

Há tempos não pego um papel e uma caneta para simplesmente escrever. Seja uma carta, uma dissertação ou até mesmo um desabafo e isso é minimamente estranho, comparando o fato de que fazia isso toda semana. Escrevia coisas que me vinham a cabeça, histórias sobre qualquer coisa que acontecia no meu dia e isso era quase que um ritual. Passaram-se alguns anos e um dia desses parei para pensar sobre o que me fez deixar de escrever. Onde estive esse tempo todo, o que fiz, o que vivenciei e por que não escrevi sobre isso?

Bom, a resposta obviamente não veio, afinal ainda continuava sem escrever e continuei com essa duvida por um certo tempo, até que parei e busquei meus velhos pensamentos, textos antigos esquecidos em uma gaveta quebrada que quase nunca é aberta. Ora, que desaforo guarda-los com tanto desprezo! Pois bem, comecei a ler um atrás do outro e surpreendentemente eles eram bons, coisa que eu nunca imaginava que fossem. Continuei lendo e acabei descobrindo um certo padrão. Todos os textos se tratavam sobre coisas que me incomodavam, seja particularmente, politicamente, literalmente ou figurativamente. Ok, usei muito “mente” na ultima frase, perdão. Enfim, depois de reparar isso, me veio a seguinte pergunta: Se eu escrevia sobre o que me incomodava e hoje não escrevo mais, isso significa que eu não me incomodo mais com as coisas?

Claro que não! Dias depois me peguei escrevendo sobre o pavor que tenho de bibliotecas. Era uma tarde em que estava completamente angustiada com meu bloqueio criativo, querendo colocar aquele desespero em algum lugar e o que fazemos em uma biblioteca além de ler? Exato, escrevemos!

Então por que fiquei esse tempo parada? Ainda não sei. É uma resposta muito variada. Pode ter sido pela nova rotina que veio com a faculdade, por minhas novas maneiras de dizer que algo me incomoda ou até mesmo por ter passado muito tempo escrevendo. Acho que precisava de um tempo para que sentisse falta dessas velhas histórias, que vão impulsionar outras tantas novas que irei contar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.