Instalando o Arch Linux - Parte 2 - Mão na massa

Previously…


Preparando para instalação

Logo ao iniciar a primeira coisa a ser feita é alterar o layout do teclado de acordo com sua máquina, caso use teclado padrão US esse passo é desnecessário, no meu caso é ABNT2:

loadkeys br-abnt2

O próximo passo é conectar a máquina a internet. Caso você use conexão cabeada e tenha um servidor DHCP ativo na rede, você já deve estar automaticamente conectado, teste usando o comando:

ping www.google.com

No caso de rede sem fio, primeiro abro uma observação baseada na minha experiência individual: meu notebook é recente (Samsung Expert X51) e o chipset wireless usado pelo mesmo ainda não possui drivers, então uso um adaptador wireless USB. Com isso esclarecido, primeiro precisamos descobrir o nome da interface do dispositivo wi-fi:

iw dev

Anote o resultado, no meu caso o nome da interface é wlp0s20u1. Depois é só conectar na sua rede através de um passo-a-passo:

wifi-menu -o wlp0s20u1

Depois de conectado na internet, execute o comando para atualizar o horário da sua máquina:

timedatectl set-ntp true

Partições

Momento crucial da instalação: particionar o disco. Caso precise liberar espaço da sua partição Windows, faça isso pelo próprio Windows, existem muitos guias de como fazer isso que podem ser facilmente encontrados no querido Google. Reserve um espaço considerável e que seja suficiente para suas ambições, no meu caso reservei 80GB para o sistema e 8GB para swap (a mesma quantidade que tenho de memória RAM). Por motivos práticos não entrarei no mérito da escolha do sistema de arquivos para cada partição, usando ext4 para as partições Linux e fat32 para a partição EFI.

Primeiro é preciso identificar os dispositivos de disco que você possui, para isso use:

lsblk

Devem aparecer pelo menos dois dispositivos: o seu HD e o dispositivo do qual você esta executando a instalação (disco ou pendrive). No meu caso o HD era o dispositivo sda, e além dos 88GB livres no final do disco, já possuía três partições: a partição EFI (100MB), a partição MSR (Microsoft Reserved — 128MB) e a partição do Windows (800GB). Após identificar o seu dispositivo, execute (substituindo o dispositivo):

parted /dev/sda

Esse comando entrará no modo iterativo do parted, onde você começará a realizar as operações no HD. Caso você possua um HD vazio e não fará dual-boot, execute os seguintes comandos (adaptando de acordo com suas necessidades/disponibilidade):

Máquinas UEFI:

mklabel gpt
mkpart ESP fat32 1MiB 513MiB (512MB para partição EFI)
set 1 boot on
mkpart primary ext4 513MiB 80.5GiB (80GB para partição do sistema)
mkpart primary linux-swap 80.5GiB 88.5GiB (8GB para partição de swap)
quit (sair do parted)

Máquinas BIOS:

mklabel msdos
mkpart primary ext4 1MiB 80GiB (80GB para partição do sistema)
set 1 boot on
mkpart primary linux-swap 80GiB 88GiB (8GB para partição de swap)
quit (sair do parted)

Lembre-se: você executará apenas um dos conjuntos de comandos acima, de acordo com a sua máquina! Caso você já tenha partições na sua máquina e fará dual-boot, identifique onde começa o espaço livre no dispositivo, para isso digite:

print

O parted irá imprimir o começo e fim de cada partição do dispositivo. Use o fim da última partição como começo da partição que você irá criar, no meu caso esse valor era 879GB:

mkpart primary ext4 879GiB 959GiB (80GB para partição do sistema)
mkpart primary linux-swap 959GiB 100% (o que sobrou para partição de swap)
quit (sair do parted)

Agora com as partições criadas, é hora de formatá-las. Use o comando lsblk novamente para identificar o número das partições e anote-as! É importante anotar a identificação das partições de sistema e swap (recém criadas) e da partição EFI (se existir, anote-a mesmo que não tenha sido criada por você). Para referência usarei:

  • sda1 para partição EFI
  • sda2 para partição do sistema
  • sda3 para partição de swap

Com essa informação na mão, formate a partição do sistema. Caso tenha criado a partição EFI formate-a também. Atenção: não formate a partição EFI em caso de dual-boot! Só a formate caso você a tenha criado! Caso contrário seu Windows ficará inacessível!

mkfs.ext4 /dev/sda2
mkfs.fat -F32 /dev/sda1 (apenas em máquina UEFI e quando criada por você!)

Hora de montar o swap e as partições:

mkswap /dev/sda3
swapon /dev/sda3
mount /dev/sda2 /mnt
mkdir -p /mnt/boot (apenas em máquinas UEFI)
mount /dev/sda1 /mnt/boot (apenas em máquinas UEFI)

E por fim começar a instalação do sistema básico:

pacstrap -i /mnt base base-devel

Esse comando pedirá algumas informações e depois vai demorar algum tempo dependendo da sua conexão com a internet.


Resumo

  • Alterar layout do teclado
  • Conectar a internet
  • Atualizar horário da máquina
  • Particionar o disco onde será instalado o sistema
  • Formatar as partições necessárias
  • Montar as partições
  • Iniciar a instalação do sistema básico