Eu

Eu sou a que no mundo anda sem rumo.

Sou a que não possui um norte

Sou também a irmã do azar e inimiga da sorte!

Sombra de uma garoa graciosa e esvoaçante

E a que o destino insiste em pregar peças, de forma amarga e solitária.

Alma sempre despercebida

Aquela que passa e ninguém vê…

A que chamam triste sem viver.

Sou a que chora sem por quê!

Like what you read? Give Nathalia Gabrielle Coelho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.