Pequena poesia parnasiana da madrugada

Como um vampiro, você bateu na minha janela e pediu:

— deixe-me entrar!

Eu deixei.

Desde então você vive. Eu, vago.

Let the right one in - 2008