O sonho do qual ainda não acordei

Let your dreams fly

Era uma manhã comum de Sábado, despertei e pude fazer algo que adoro: aproveitar aquela soneca que passa dos 5 minutinhos facilmente, sem preocupação. Devo ter dormido por mais meia hora e neste curto espaço de tempo vivi uma experiência única. Um sonho que, mesmo difícil, me pareceu mais um presente, uma revelação.

O ambiente lembrava uma cidade pequena e eu estava caminhando pelas ruas. Parei em frente a uma casa muito simples e mal conservada, até mesmo suja. Passei pelo portão velho e enferrujado, entrei na sala e no local estavam pessoas que nunca tinha visto antes, mas que me pareciam muito familiares. Fui muito bem recebido e me disseram que aquela era a “base”. Conversávamos descontraidamente, comíamos alguma coisa e então eu, de alguma maneira, sabia que havia chegado a hora.

Percebi que todos ali eram construtores de sonhos e estavam se preparando para sair e fazer seu trabalho.

Quando deixei a base, rapidamente percebi que conseguia configurar o ambiente e o enredo dos eventos que aconteciam ao meu redor com o simples pensar. Eu participava ao mesmo tempo que observava, de qualquer ângulo que quisesse, as histórias que eu mesmo ia construindo. Surgiam outros personagens que interagiam com o ambiente e as pessoas que estavam na cena de forma muito natural.

Eram experiências vívidas, extremamente detalhadas e ao menor sinal de que eu não estava satisfeito com o que estava criando, simplesmente “cancelava” o sonho e retornava para a base a fim de me preparar para a próxima experiência. Eu estava me divertindo muito com o que estava vivenciando. Tudo parecia uma grande e gostosa brincadeira, sem perigo algum.

No total, foram 3 ou 4 sonhos construídos, dos quais lembro perfeitamente, mas não entrarei em detalhes. O mais importante foi o último, que se converteu em um “incidente”.

Em um destes retornos, voltei com uma espécie de nave que lembrava um helicóptero guiado por turbinas, de uma aparência e funcionamento incríveis. Aterrissei na área externa e todos ficaram boquiabertos. Uma das pessoas comentou: “Olha o que o novato já está conseguindo fazer!” Ao ouvir isto, fiquei muito empolgado e senti que queria sair logo e começar o próximo sonho. A ansiedade e excesso de autoconfiança tomaram conta de mim.

Desta vez, quiz fazer algo completamente diferente. Comecei com um ambiente totalmente colorido, com formas pouco convencionais. Era um lugar realmente lindo, agradável, de alta energia e diferente de tudo que já tinha visto. Fui me encantando cada vez mais com o que havia acabado de criar. Me envolvi profundamente com tudo aquilo e fui aos poucos esquecendo e diminuindo a atenção ao que estava fazendo.

Uma das pessoas da base, uma moça com quem havia conversado bastante, subitamente apareceu. Tive dificuldades em reconhecê-la e cheguei a zombar do que ela dizia em tom sério e repreensivo: “Ei, o que você está fazendo? Esqueceu que tudo isso é criação sua? Tem certeza que quer ficar aqui neste sonho? Vai mesmo escolher este aqui e ficar?”

Passei por momentos de tensão. A consciência sobre aquilo ser um sonho tornou-se intermitente e houve uma dificuldade enorme em ver a natureza real daquele cenário. Me pareceu que, por muito pouco, eu não perdi a capacidade de lembrar do que estava realmente acontecendo. Quando tentava abandonar aquilo, algo me puxava novamente e depois de relutar muito, o desligamento daquela criação foi tão intenso que me senti passando por um processo de renascimento.

Imediatamente acordei muito incomodado, com uma sensação péssima. Olhei ao meu redor, para as coisas que tenho em meu quarto, os objetos, suas cores e histórias por traz deles, e automaticamente cai em prantos, um choro convulsivo e incontrolável que durou tempo suficiente para bagunçar meus sentidos e mudar a percepção da existência em que eu estava inserido. Eu voltei, mas por alguns momentos, ainda estava desconectado.

Eu havia acabado de acordar e perceber que estou em outro nível de sonho, e me envolvi tanto com este que passei a chamá-lo de realidade. Acredito que já entendi algumas lógicas, descobri como moldar algumas coisas, mas ainda não sei como e onde tudo isso começou, nem se posso cancelá-lo e voltar para a base.

Like what you read? Give Nellynton Borim a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.