Já é Lembrança…

Parando pra pensar, eu percebo que tudo na vida é lembrança.

O presente, que acabou de acontecer, já é lembrança. O futuro, que ainda não aconteceu, também é lembrança.

Dizem para aproveitarmos o presente para termos histórias para contar. E o que são as histórias? Nada mais que lembranças.

Veja, não estou menosprezando o poder das lembranças.

Pessoas escrevem sobre lembranças. Eu escrevo sobre lembranças. Fotos são sobre lembranças.

“Nunca achei que gostaria tanto daquela foto. Na hora, a gente tava todo zoado”

Aquele tombo que eu tomei uma vez, correndo na rua. A morte do filho da tia que estava no ônibus, há 24 anos. As brincadeiras da infância. Os amores, os amigos e o vendedor de pão doce que passou ontem por aqui. Aquele café coado na hora, o caldo-de-cana, o pastel e o hambúrguer.

Tudo é lembrança. Tudo é lembrança!

Esse texto é feito de lembranças e também já se tornou uma delas. Um dia tudo será.

Talvez a palavra fique mais bonita, mas ainda vai dizer a mesma coisa. E o que ela será?

“Os grandes esqueletos do museu britânico e todo sofrimento serão memória. Eu, sentado aqui, serei só esses versos que dizem haver um eu sentado aqui” (Antonio Brasileiro).

Ontem eu fui lembrança, hoje eu sou lembrança e amanhã… serei também.

Quando morrer, serei a lembrança de quando estava vivo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.