Tem que ter tesão!

Tem que ter tesão! Ouvi essa afirmação há pouco tempo, questão de dias. Não lembro quem falou, muito menos onde, mas lembro que estávamos falando sobre ter prazer em fazer as coisas. Enfim.

A pessoa que falou me fugiu da mente, o lugar e o dia também, mas a frase continuou e ainda continua. E se tornou motivo de estar escrevendo neste domingo quente igual ao inferno.

E vamos aos fatos:

Como a tal da frase não me saiu da cabeça, comecei a pensar no que ela significava e como ela sempre esteve presente, pelo menos na minha vida, através de inúmeras coisas subjetivas, mas que bem interpretadas (coisa não feita por mim, nas épocas) sempre culminavam na palavra TESÃO.

A primeira das coisas que me veio e mostrou essa palavra foi o tênis. Sim, o esporte.

Sempre ouvimos, dentro das quadras, que pra finalizar o ponto com mais facilidade e rapidez devemos fragilizar o adversário e subir próximo a rede que divide os campos ficando, assim, em cima do “T” que divide as áreas de saque. Eis ai, o “T”zão. Ouviamos sempre: “Joga o cara na grade, sobe pra rede. Chegou no “T”, mata o ponto.”

Ta ai a importância. Quando você age com tesão ou no “T”zão, tudo fica mais fácil e menos pesado. Não se trata mais de um fardo e, sim, de um prazer.

Voltando ao tal do tesão. Além de ser uma palavra bonita e gostosa de ser falada, ela reflete tudo que devemos ter na vida segundo a minha visão de vida (coisa que não sei se deve ser uma coisa assim tão boa).

Tenho um tio que sempre diz: “Jogar tênis é fácil. A gente que complica.” Aplico isso pra fora do tênis e adapto a frase “Viver é fácil. A gente que complica.” Devemos ter tesão em todas as coisas. Devemos ter tesão em viver, acordar cedo numa segunda. Tesão pra fazer aquela comida gostosa e até pra ir trabalhar num sábado de manhã. Na minha visão, nada mais é do que ter prazer. Um dia ou outro, temos o direito de acordar de mau-humor, virado no giraya, mas na maioria, o negócio é ter tesão (tudo bem, falar é mais fácil).

Por que é assim. A vida é simples, não vamos complica-la.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.