A falácia da “frequência afetiva”
Laura Pires
71031

Caramba, como gostei de ler tudo isso! Lembro que quando conheci o papo de frequência afetiva acabei comprando a ideia. Tentei aceitar as pessoas mais ausentes e ok. 
Mas na real, algumas pessoas simplesmente se importam e outras não. Quem quer, dá um jeito. É ótimo encarar isso de frente ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.