10 CONTRA-ARGUMENTOS QUE PROVAM QUE BIFOBIA EXISTE

Rebatendo argumentos que são usados pra dizer que bifobia não existe.

Texto originalmente publicado no Facebook. Grande parte dos argumentos estão mais desenvolvidos aqui.

Falar em bifobia é apenas dizer que o sistema oprime bissexuais de forma diferente de gays e lésbicas. Somos oprimidos por não ser héteros (isso é um fato). Porém, não da mesma forma que gays e lésbicas são oprimidos (isso também é um fato).
Por isso, separa-se em homofobia, lesbofobia e bifobia: discordar dessa separação é jogar tudo no mesmo saco e apagar as consequências distintas dessas opressões em cada uma das três classes. Mas como isso aparentemente não é óbvio pra todo mundo, aí vai a refutação de todos os argumentos que já ouvi pra dizerem que bifobia não existe:

1.“Ninguém apanha por ser bi, já que não existe leitura bi”
Eu nunca apanhei por ser negra e nem por isso racismo não existe ou não me afeta. Uma opressão não é dita só por isso.

1.2. E mais: pessoas apanham por serem bis, sim. Tem muitos casos de pessoas bis apanhando especificamente por serem bis, e não “apenas” por gostarem de pessoas do mesmo gênero. Negar isso é negar a vivência de muita gente.

(AVISO DE GATILHO NA IMAGEM ABAIXO: ASSASSINATO)

o link da matéria (em inglês): https://t.co/YSnA7umkov

#acessibilidade: a imagem possui o seguinte texto: “Uma mulher bissexual e sua mãe foram assassinadas e tiveram sua casa incendiada em seguida. O suspeito, que já está em prisão preventiva, é o vizinho que sabia da orientação sexual de Danielle e se incomodava agredindo mãe e filha verbalmente por meses, inclusive por mensagens de texto. A última mensagem foi enviada enquanto a casa estava em chamas e dizia somente “shine bright”. Dentro as coisas que ele chamava, Danielle, “lésbica bipolar”. Não que ele achasse que Danielle fosse simplesmente lésbica, o uso do termo “bipolar” deixa isso bem claro, mas como a maioria das pessoas ele não conseguia entende o conceito de bissexualidade como uma sexualidade independente, o que não impedia que ele tivesse pleno entendimento de como a sexualidade dela funcionava, e isso o incomodava.

Passabilidade heterossexual, não é?”

2. “Bi não sofre nada em relacionamento hétero”
Já vi mulheres que viveram relacionamentos abusivos que foram potencializados serem bis e “não serem confiáveis” por causa disso; e também mulheres que foram estupradas por namorados só por serem bi e por isso “terem que aceitar de tudo”. Dizer essa frase é apagar a dor delas.

(AVISO DE GATILHO NA IMAGEM ABAIXO: ESTUPRO)

Depoimento tirado da página Era de Cisperar no facebook.

#acessibilidade: a imagem possui o seguinte texto: “Quando eu tinha 14 anos estava namorando um cara de 17 e começando a aceitar que eu era bi. Ele começou a suspeitar, nem lembro bem como, e me perguntou de forma direta. Quando afirmei que sim, eu sentia atração por mulheres também, ele surtou, disse que bissexualidade não existia, que era coisa de biscate, e que eu ia decidir, por bem ou por mal, entre homem e mulher. Aí me estuprou.

Eu sei que, como toda violência que mulher sofre, esse ataque estava transbordando misoginia. Mas mais que isso, aconteceu unicamente por eu ser uma mulher BISSEXUAL. Ele deixou bem claro a bifobia.

Anos depois, quando uma menina lésbica me disse que bifobia não existia porque só lésbicas sofriam estupro corretivo, eu contei meu relato. A resposta? ‘Que coisa, mas quem mandou namorar homem, né?’

Tirando isso aconteceu o de sempre comigo, né. Negarem minha orientação, dizerem que estou confusa, dizerem o quão nojento minha orientação é, me sexualizar, negar um relacionamento romântico… tanto homens quanto mulheres já deixaram claro pra mim que bissexuais são apenas ‘pra pegar’, que não dá pra levar a sério. Nisso, como sempre, os homens conseguem ser piores ao forçar a barra pra menage, e achando que por ser bi eu preciso ser uma ninfomaníaca incapaz de sentir ciúmes ou de negar sexo ou de qualquer coisa na cama.”

3. “Ninguém nunca morreu por ser bi”
Se opressão fosse pautada apenas em morte, não teria nenhum oprimido vivo pra contar a história??? Meio óbvio né

4. “Bifobia não existe porque seria heterofobia + homofobia, e heterofobia não existe”
A definição de bissexualidade e a de bifobia não devem depender ou serem colocadas em função da hétero e da homossexualidade. Bissexuais não são 50% hétero/50% homo. A monossexualidade* não é – e não deveria ser posta como – a única opção possível. A bissexualidade é uma orientação sexual INDEPENDENTE, com suas próprias particularidades, e a bifobia se faz consequência disso. E isso nos leva ao item 5:

5. “Bifobia não existe, vocês sofre lesbofobia/homofobia”
Todo o significado de lesbofobia/homofobia está ligado a coisas que lésbicas e gays sofrem, logo, não contempla certas coisas que bissexuais passam e abrange outras coisas que bissexuais não passam. A vivência de lésbicas e gays é completamente diferente da de bis — e não são comparáveis — , em vários aspectos, e, como eu já disse, chamar tudo do mesmo nome é apagamento (das duas classes).

6. “Bifobia não existe, você sofre retalhos de lesbofobia”
Não passei tudo que passei na vida pra chamarem o que eu sofro de RETALHO de algo.

7. “Bifobia não existe, bis tem privilégio hétero”
Bis não são hétero, logo não tem privilégio hétero. E mais: se a gente finge que é hétero em algum momento é por proteção, assim como gays e lésbicas fazem.

8. “Bissexuais só sofrem em relacionamentos homoafetivos, ou seja, sofrem apenas homo/lesbofobia”
A opressão por ser não-hétero começa desde a fase da descoberta, onde nós nos culpamos por sermos LGBT e fugirmos do padrão hétero cis. Então por que falar como se ela se resumisse em namorar com alguém do mesmo gênero?

8.1. E mais: se opressão for só na rua e só por leitura social, lésbicas femininas solteiras e gays “discretos” solteiros não sofrem nada?

9. “Bifobia não existe porque todo bi é lido como hétero”
Bissexuais não necessariamente se encaixam no padrão heteronormativo, então não são tratados como héteros. Existe mulher bi bofinho e homem bi afeminadíssimo que são lidos como LGBTs na rua. Não os apaguem.

10. “Existe preconceito com bis mas não dá pra falar em opressão, não é estrutural”
Bifobia vai muito além de um preconceito ali ou aqui.

10.1. A norma imposta pela sociedade é ser hétero (cis), qualquer pessoa fora dela já sofre opressão estrutural.

Indo mais além: a estrutura da nossa sociedade é monossexista – ou seja, não é dito como certo se atrair por mais de um gênero. Essa estrutura é tão forte que as pessoas sequer IMAGINAM que as outras podem ser bis. Muitas pessoas aparentemente LGBT friendly**, por conviverem com gays e lésbicas, se revelam bifóbicas por acharem que a bissexualidade não existe — o discurso de “ser gay até tudo bem, mas querer beijar homem e mulher já é putaria!” é muito comum na vivência de bissexuais. A invisibilidade bi é imensa (óbvio que essa estrutura é heteronormativa também e mesmo sendo monossexual, você precisa ser cis hetero pra deter privilégios).

*monossexual: pessoa que se atrai apenas por um gênero. nesse grupo incluem-se heterossexuais, lésbicas e gays.

**LGBT friendly = literalmente, seria “amigáveis com LGBTs”. É um termo usado pra definir pessoas que apoiam a causa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.