Eu voo, mas eu volto

Aeroporto. Gosto de aeroportos. Minha cabeça gosta do que pode encontrar em aeroportos. Aquele dia eu não ia viajar, estava ali apenas para fotografar mesmo. Era domingo de manhã. Eu não tinha dormido por um simples fato: nada me tira da cama nas manhãs de domingo. Resolvi não dar sorte pro azar.

Garoava em São Paulo, o que não é lá muita novidade pra “cidade da garoa”. Eu não ia fotografar sozinho, é claro. Faço parte de um grupo de fotógrafos que, uma vez por mês, se reúne para fotografar algum cartão postal ou lugar inusitado da cidade.

Cheguei mais cedo do que deveria, como sempre faço. Fui até o ponto de encontro e ali encontrei outros fotógrafos. Eu não conheço todos, mas admiro o trabalho daqueles que acompanho. Vejo que a galera começa a aquecer suas câmeras. Faço um enorme esforço para não aparecer nas fotos. Eu não tenho câmera, então faço minhas fotos com o celular. No final das contas, o que conta é o olhar.

O grupo começa a aumentar. Vejo olhares curiosos. Seja de fotógrafos ou das pessoas se perguntando se algum famoso estava chegando. Uma garota me chama a atenção. Ela não faz parte do grupo, ela se aproxima de uma das saídas e carrega consigo uma única rosa. Vejo que ela olha para os horários de desembarque como quem espera por um grande amor chegar. Resolvi me encostar em uma das pilastras apenas pra ver até onde aquela história chegaria. Não gosto de histórias sem final. Sou cumprimentado por alguns amigos que me reconhecem ali no meio da multidão, eu não quero muita conversa ainda. Vejo a aflição da menina. As portas automáticas se abrem. Um sujeito com uma barba de respeito atravessa, olha para os lados buscando, entre os flashes, um brilho único. Ele buscava pelo brilho nos olhos de uma garota com uma rosa na mão.

Reencontro. Beijo. Um abraço carregado de saudade e de vontade de nunca mais deixar o outro viajar. Sorrisos se misturam com lágrimas de saudade bem resolvida. Uma rosa dada. Um beijo de agradecimento. Mãos dadas. Não existe melhor amarração de amor. Eles seguem juntos.

Ir é sempre bom, mas nada é melhor do que ter para quem voltar.