A sociedade dos entendedores de nada

Quem são, onde estão e o que pensam?

Para falar desse assunto, vou citar um exemplo, que na minha opinião, está infestado de “entendedores”. Esses que debatem apresentando argumentos baseados no achismo, porcentagens inventadas, casos isolados e “senso comum”.

Recentemente, debati sobre esse assunto, que anda sendo muito discutido em casa, no bar, no churrasco, e principalmente, na internet. O assunto? A implantação das ciclovias nas cidades de São Paulo.

Já há algum tempo em São Paulo, andam surgindo novas vias, as chamadas ciclovias. Para você que mora em uma caverna, passou anos congelado ou é conhecido como Jimmy Bolha, as ciclovias nada mais são do que vias “exclusivas” para bicicletas. Aspas pois em São Paulo, como ao redor do mundo, elas também são usadas por skates, patins, cadeiras de rodas e capivaras.

acredite se quiser, isso não é Curitiba.

“Mas se são utilizadas de tantas formas, trazendo segurança aos usuários, porque tanta polêmica?”. Ótima pergunta, caro amigo deslocado da sociedade atual. Já há muitos anos, por volta de pouco menos de um século, as ruas são dominadas por veículos automotores de metal, pesando quase uma tonelada e transportando em média, 1,4 passageiros.

Esse monstro de metal, além de ser uma máquina mortífera, causa um problema gigante com trânsito, que levou países como a Holanda, a combater seu uso indevido, dando preferência às bicicletas. Lá, desde os anos 70, quando surgiu uma onda de protestos, motivados às mortes causadas por carros, se respeitam muito mais nossas amigas magrelas. Toda essa história, você pode conferir no vídeo abaixo.

Voltando para São Paulo, esses sábios contemporâneos, acusam as ciclovias de serem inúteis, mal planejadas, descuidadas e um absurdo com os usuários de carros, que perdem lugar para estacionar seus veículos, ou para seguir o seu trajeto pela cidade. Esses e outros exemplos, podem ser vistos no caso do “entendedor”, que também diz que o que faz bem pra saúde, não são atividades físicas, e sim remédios e hospitais.

Nesse vídeo que é um exemplo perfeito do que acontece nos debates do dia-a-dia, vemos que para um “entendedor”, dados, pesquisas, estatísticas, projetos e estudos, feitos por engenheiros, arquitetos e pesquisadores, não são válidos, porquê eles podem ter sido manipulados, mal feitos, ou como forma de propaganda política.

Então deixo o minuto de reflexão, não para assuntos específicos como a implantação das ciclovias, mas para tratar dos entendedores de nada. Como argumentar com alguém com um pensamento fechado, impossível de se vencer em uma discussão, pois para ele, nada prevalece sobre seu pensamento superior de filósofo de bar?