O pulso pulsa nas veias da impulsividade

Não resisti. Precisava escrever.

É a ansiedade e a impulsividade falando mais alto, como sempre. Aproveito então para usá-las de inspiração para este post.

"Before Sunrise" (Richard Linklater, EUA, 1995) é meu escolhido da vez. Resolvi fugir um pouco da sequência que planejava usar para os post, mas vai valer a pena. Impulsividade de novo. A trilogia em sí é maravilhosa, mas como ainda não assisti o "Before Midnight" (2013), seria injusto tentar abordar toda a série.

O que mais me encantou nesse filme foram os diálogos. São a alma do filme. Classificado como romance, é outro título que foge da pieguice e tem uma abordagem mais cotidiana. Logo, a conversa travada entre Jesse e Celine se torna lindamente agradável e familiar. A aleatoriedade e abrangência de assuntos faz qualquer um se reconhecer na tão conhecida situação de "meeting someone new".

Na minha opinião, é uma das melhores situações do mundo. Nada como se deparar com conexões com pessoas estranhas para nos fazer enxergar o quão pequeno é o mundo.

Ele está sozinho rumo a Viena, onde encerrará no dia seguinte uma viagem feita para agradar a (ex) namorada, que acaba em inevitável término. Ela, indo para Paris (sua cidade natal), voltando de uma visita a avó, para deixar um pouco de lado as decepções de um mundo onde mulheres não tem vez. Caminhos se cruzam, conexões acontecem.

Sabe porquê com o tempo casais começam a falar mais alto um com o outro, mesmo que não em brigas?
Ele perde a sensibilidade de ouvir agudos e ela a de ouvir tons graves...

E aí, ela aparece. Minha grande amiga...

~Por que não fazer um passeio em Viena, com esse estranho que acabei de conhecer, que tá sem grana até pro hotel e terá de ficar perambulando madrugada adentro até a hora do vôo pros EUA?~

Impulso e acaso reinam nesse filme.

A simplicidade dos fatos e a naturalidade com a qual surge a relação entre eles fazem com que você se encha de déjà vús e se delicie de sensações tão comuns que as vezes nem mais as percebemos em nossas vidas.

A viagem toca a vida deles e a nossa.

Can the greatest romance of your life last only one night?

E ele acaba como começa. Na realidade do incerto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.