Rituais

Sempre fui fascinada por rituais, quando íamos a praia na infância havia um ritual em fazer o check do que tínhamos que levar. Ir a a missa aos domingos era, além de um prazer cristão, uma condição orgástica por poder presenciar aquele ritual tão organizado em que as pessoas já sabem o que dizer, as canções que todos cantam, os fieis em coro e o bate-volta entre padre e igreja. Foi uma alegria para mim aprender e saber dizer de cor o credo. Que ritual lindo. Gosto também dos rituais diários, do acordar e criar sua rotina, não falo de ter todos os dias iguais, isso é maçante, falo do levantar e desligar o despertador ou colocá-lo na soneca, fazer café e tomá-lo enquanto assiste a TV. Aquele momento do conhecer um novo alguém e todas as condolências para um primeiro beijo, que por mais diferentes que sejam, seguem sua forma tão beata quanto numa missa. O ritual do sexo, quando a outra pessoa vai tirando lentamente minha calcinha e pode dar beijos e mordidas nas minhas pernas, que cena! A predominância do carinho, as cores do momento e o ir e vir das horas apenas pautadas em trepar como ritual, tão humano, tão singelo e tão complexo. Todos os dias me apaixono por rituais.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.