Se conselho fosse bom…

Eu deveria, e quem sabe um dia eu faça, fazer um vídeo sobre o que resolvi escrever hoje. Sou uma pessoa romântica, pelo menos eu me considero, há muitas pessoas que diriam que sou um desastre quando se trata de romantismo, apesar disso, ouço canções de amor, leio textos de amores que dão certo ou que fracassam també, sinto os amor pelos meus poros e aprendi algo que deve ser amplamente divulgado e enaltecido.

Canções de amor são lindas, mas só para ouvir, na prática elas podem ter um efeito negativo na sua vida, portanto, sentir saudades é perfeitamente normal, até é recomendando, que tipo de psicótico seríamos se não sentíssimos falta de coisas, pessoas, lugares enfim. Mas tem limite, a entrega a saudade, a falta pode ser devastadora e te deixar num barranco sub humano em que você se pega perguntando como consegue fazer as pequenas coisas, tipo escovar os dentes, sem ter alguém por ali, e tudo começa a perder sentindo.

No início da perda é normal, como eu disse é até saudável, mas não siga por muito tempo nisso. Sinta essa falta, essa saudade, esse vazio, no início, depois arrume outra coisa para te ocupar, mude o foco das tuas atenções, saia da antiga rotina. Saudades quando é demais pesa. E não fique pensando o que o outro vai pensar, que você não ama mais, ou que não sente mais nada, quando começa a doer pense apenas em você, seja egoísta, não é certo e nem satisfatório sofrer por amor.

Tem mais, não passe a vida toda esperando alguém. Se valorize, se coloque em primeiro plano, se voltar e assim for bom excelente! Se não ao menos você não criou expectativa sobre uma variável que não está ao seu alcance. Lembre que ninguém pensa, sente ou vive do mesmo jeito, as pessoas são mutáveis e temos uma quantidade absurda de motivações para não sermos como antes. Transponha essa necessidade de fazer o outro sua meta, seu destino, seu objetivo.

Não são conselhos, são abstrações das músicas de amor que eu ouço com tanta insistência.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.