Quinta semana BEPiD

Ao aprender algo novo, fora de meus conhecimentos usuais e me aprofundar em assuntos que já conheço, aprendi que…

…é preciso estar aberto a novos aprendizados mesmo nas áreas em que acredito (ou pelo menos acreditava) ter pleno conhecimento.

A descoberta diária de uma nova linguagem e uma nova plataforma de programação, apesar das dificuldades e estresse com prazos, tem sido uma grande aventura e uma grande satisfação ver o resultado de meu trabalho e minhas horas de estudo.

Hoje quero falar como tem sido a parte mais técnica do meu aprendizado. Então…

Programar em swift no xcode foi totalmente diferente de qualquer outra experiência que tive com relacionada a programação (o que foi quase nada, pois aprendi o básico apenas para realizar a prova). Não é preciso compilar para achar os erros de sintaxe, gerar um executável para ver o resultado final, decorar o nome de funções, variáveis e comandos (coisas que tentaram me ensinar, mas eu não aprendi nada bem). Existem várias ferramentas, algumas quase imperceptíveis mas muito bem pensadas, que possibilitam um desenvolvimento muito mais agradável. Confesso que ainda me bato em algumas operações, como declaração de arrays mais complexos, ou rotação de nodes… Nada que eu não acredite que o tempo não irá resolver.

Já na área de design, que foi o tema principal dessa quinta semana, aprendi a fazer prototipação de telas, utilizando como ferramenta o figma (sugerido pela coleguinha Julia), o que me ajudou muito no desenvolvimento e aprimoramento do visual do nosso projeto, principalmente por poder simula-lo em meu celular, o que não era possível, da mesma forma, no Xcode. Fazendo me envolver e me interessar pela influência (importância) do design no aplicativo, deixando-o mais bonito, utilizável, acessível e outras coisas. Eu, particularmente, amei demais fazer todos as atividades, as quais foram diagrama sequencial, fluxograma de interação, rabiscoframe, wireframe, wireflow e o protótipo funcional em si. Conhecer e trabalhar mais nessa área foi super construtivo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.