Setembro Amarelo

Algumas indicações de links sobre o tema, parte 1

Já estamos no final do mês amarelo, no último dia para ser mais exata.
Decidi utilizar este dia para postar alguns textos sobre esse mês e o que ele representa — um mês inteiro dedicado à prevenção do suicídio.
Suicídio, tema este tão ardiloso.
Quis colocar aqui alguns dos bons textos que li este mês, mas o docs onde guardava os links já tem mais de uma página.
Vou então colocar somente alguns e aos poucos.

Pesquisei a tag Setembro Amarelo no Medium, vários textos bacanas, e de lá sugiro a página Fazia Poesia, que se dedicou a este tema sofrido (https://faziapoesia.com.br/).

Um dos textos que li é um relato de uma mulher que sofreu grande assédio moral no trabalho. Quando buscou ajuda de seus superiores, eles pioraram a situação. Ela tomou uma caixa inteira de rivotril, não na tentativa de morrer. Ela foi demitida pois todos estavam com medo da “suicida”. Este é um texto que dói no coração da gente (https://medium.com/…/setembroamarelo-e-se-a-dor-n%C3%A3o-pa…)

A página Mulheres que Escrevem fez uma lista com indicações de links sobre o assunto (https://www.facebook.com/mulheresqueescrevem/photos/a.270254256641204.1073741828.263598090640154/335742193425743/?type=3&theater)
Todos os links são maravilhosos, vale a pena ler todos os textos. Todos mesmo.

O site Valkirias publicou algumas matérias, relacionando o tema com cultura. Tem o que já apareceu de indicação aí em cima (http://valkirias.com.br/teoria-unificada-tristeza-feminina/), esse sobre Geração Prozac (http://valkirias.com.br/geracao-prozac/) , Sylvia Plath, sempre (http://valkirias.com.br/sylvia-plath-redoma-de-vidro/) , As Virgens Suicidas (http://valkirias.com.br/virgens-suicidas/) , e ainda sobre a Rae, de My Mad Fat Diary (http://valkirias.com.br/precisamos-falar-sobre-rae/)

Outros textos vou publicando durante a semana.Tenho ainda as indicações de livros, filmes e podcasts pra vocês.
Posso contar um pouco da minha história para vocês também, pois setembro amarelo serve para sairmos de nosso armário depressivo.

Agora deixo uma música pra cantar chorando pra combinar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.