Brisa de Abril

Olhando pelos seus olhos

Eu vejo um mundo diferente

Eu vejo a vida saldar, ternamente

A suave brisa de Abril.

Olhando para os seus olhos

Aproximo-me de sua pele, seus poros

Abstraio-me desatento

Sinto você por dentro.

O vento da madrugada

Aquela brisa gelada

Bota a gente a pensar

No galopar do relógio.

É bruma essa vida

Palpitante e delicada

Como teu seio desnudo

Ao vento da madrugada.

Vila Velha,

02 de maio de 2017.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nicolas Nunes’s story.