www.designingachampionblog.com

Forketing

The next evolution of developer evangelism

About six months ago, I competed in a hackathon in New York City. If you’ve been to a hackathon, you already know the drill. For those who instead spend their weekends socializing and, you know, having wholesome non-masochistic fun, let me lay it out for you.

Hackathons are competitions that can last for as long as a week, requiring coders to build projects from scratch that meet certain criteria. They’re hacking marathons, where, just like a real marathon, your chance of winning is inversely proportionate to the amount you sleep. Suffice to say, Red Bull is probably the biggest beneficiary of hackathons.

Most hackathons rely heavily on corporate sponsorships. In return, sponsors are generally able to collect résumés for recruitment as well as demo their technologies at the beginning of the event, offering prizes to teams that best utilize their respective APIs.

Basic concept, I figured. Hackathons enable brands to recruit talent and crowdsource innovative ideas. But for some organizations, there’s more than meets the eye.


With noble intentions, my team voted to develop our project using sponsor’s technologies with which we had absolutely no experience. At about the time at night that most people on the East Coast reach REM, we finally realized we had goofed badly. About a dozen hours spent tinkering with NoSQL databases had us questioning time and space conundrums, wondering why we didn’t just major in the social sciences.

My team at HackNY Spring 2013

And then a door opened. Literally.

At about 3AM, two developers from SendGrid, an email deliverability service, came strolling into the room, going table to table. We ignored them at first because we weren’t utilizing their API.

When they made it to our table, one of their developer evangelists, Mike Swift, asked us if we needed help.

No thanks, we said. We aren’t using an email service for our project.

But Swift didn’t just turn and walk away. He followed up with more questions. What were we working on? What technology stack had we chosen? What did we need help with?

He then worked us through our issues, step by step, introducing us to little-known online tools, resources, and best practices, many of which he had contributed to or independently written.

About an hour later, we had a substantially better hold on the stack, finally able to make some progress on our project. The sun had yet to peek over the horizon, so we were actually in decent shape.

It wasn’t until days later – after some recuperation and at least 48 hours of abstinence from Red Bull – that the episode with Swift began to intrigue me.

Why did developers from SendGrid spend hours in the middle of the night to help us and other teams work on projects that had absolutely nothing to do with SendGrid? Given their extensive knowledge of the technologies we were using, didn’t they have somewhere better to be and something better to do? Further, why did SendGrid not mind their developers clearly spending a substantial amount of time and effort forking random projects on GitHub and publishing unrelated open-source projects?

And, perhaps most intriguingly, why was SendGrid one of the very few companies so actively involved in engaging the hackathon participants?


Stack Overflow recently released a new feature called ‘Company Pages.’ The feature essentially gives companies the ability to share their story with the 20,000,000 developers on Stack Overflow’s Q&A site. But, as I learned, the product addresses a much larger trend.

“In the past, we’ve seen a lot of developers use GitHub to fork and contribute open-source projects, which act sort of as their résumés,” says Stack Overflow product manager, Will Cole.

Cole’s team was instrumental in the design and implementation of Company Pages.

“But now we’re noticing a new trend. When talented developers seek employment, they are attracted to opportunities where they can work with other smart developers,” Cole states.

That’s why Stack Overflow built Company Pages – to enable organizations to showcase their talent. A section called “Who you’ll work with?” lets outsiders check out developers on Stack Overflow from a particular organization. Job seekers can evaluate the projects and answers of potential coworkers.

Stack Overflow’s new Company Pages feature

“The funniest thing is that almost no company approaches developers with this strategy in mind,” Cole says with a chuckle. “Most companies are still stuck in having an HR person reach out with an opportunity. They sell them on salaries and benefits, but rarely on having A-team players. Imagine if the company instead led with ‘This is how awesome our company is.’”

Cole’s perspective resonates with me. As the co-organizer of the Rutgers Mobile App Development meetup, one of the largest mobile app meetups on the East Coast, we are bombarded with inquiries from corporations that want to send HR representatives to pitch employment opportunities. The problem is that when they come to speak, everyone falls asleep.


The announcement of the Stack Overflow feature prompted me to reach out to Mike Swift, the developer from SendGrid (he’s since left SendGrid) who helped us at the hackathon earlier in the year.

“We go around helping participants to strengthen our brand. People see me doing something good and they associate that with SendGrid,” Swift tells me. “It builds social capital.”

It begins to make sense.

SendGrid’s unique involvement in the hackathon was to build brand awareness from the inside out. Instead of simply collecting résumés to then pass onto a faceless HR department, as is the prevailing strategy for most of the sponsors, SendGrid utilizes their product team to intimately engage developers.

“We’re in the business of making friends,” Swift tells me. “That’s the gamble — hoping that one day the investment pays off.”

So that was it then. This trend of investing resources to establish expertise is simply a ploy to impress potential employees, I supposed.

Fair enough.


One afternoon at our Agile Sprint planning meeting, our project manager tells the team that it’s time to begin researching email deliverability services. He asks if anyone has any preference for a particular vendor.

Almost subconsciously, I muttered “SendGrid.”

What was that?

“SendGrid.”

Have you ever used it?

“No.”

I don’t understand…how can you recommend it then?

“I’ve met some of their developers and seen random projects they’ve worked on. They seem really talented and I can’t imagine their product is anything less than great.”

Okay, we’ll try it.

Fast-forward – my team loved SendGrid. (Disclaimer: we currently use a competitor but only because we get a discount through an accelerator and we’re cheap, err um ‘lean.’)


If you haven’t already figured it out, I’m about to take things about three steps further.

Was it actually possible that I was driven to recommend a product I hadn’t used simply because I knew the mechanisms of manufacturing said product (in this case, its developers) were reliable? Was this a one-off real world case of mind ninja inception or was there something more to it? If the latter, what does this mean for everything we believe to be true about brand evangelism?

One of my favorite

All this time, we’ve let one group of people build a product, and an entirely different group of people market that product. In many cases, those two groups have had little to no direct interaction. In fact, often the product team has specifically been kept away from those who, well, actually want to use the product (i.e. customers).

Also, one of my faves!

What if instead of having sophisticated marketers advertise, spam groups on LinkedIn, and pass out data sheets, tech organizations drove brand evangelism by having their developers answer questions on Stack Overflow and fork projects on GitHub?

“If companies are making their technical team part of their marketing strategy to hire people, it’s eventually going to become part of their marketing strategy to get people to try their products,” theorizes Cole. “It’s the next step.”

Now we’re talking. I’m not crazy. At least not because of this.

Swift opens up: “At a certain point, we just realized that having these things, these open source libraries and projects – whether directly or indirectly related to SendGrid – had some sort of payoff. But I think street cred with developers may only be the tip of the iceberg.”

Brand evangelism driven by developers – what a novel concept! So what do we do now?

“It’s really important that we find a way to quantify these initiatives and measure their importance to our business,” Swift warns. “The content that developer evangelists create will long outlast them at their current positions. We need to record and engage these metrics.”


As I’m working on this very hypothesis, our front-end developer begins working on adding client-side photo editing to user image uploading on our site. He’s really excited because he’s found this great open-source library that lays out the groundwork for the task. It’s got issues and limitations, but he’s already most of the way through fixing it and extending its functionality.

“Don’t forget to fork it on GitHub,” I tell him.

He turns to me and asks why. Who cares?

I’m not all that sentimental and thus not very good with ceremonious occasions. I don’t know the channels to consult or how to go about the proper rituals of inventing a word, so I’ll just use it unashamedly until it takes off any day now.

“It’s great forketing,” I tell him.

Next Story — Building a content marketing machine is more about the journey than the apparatus
Currently Reading - Building a content marketing machine is more about the journey than the apparatus

Building a content marketing machine is more about the journey than the apparatus

Part two in a three-part series on “The Intersection of Product & Content”
← Read the first post | Subscribe to updates about next post →

Many marketers mistakenly believe that the present day’s challenge is to transform their brand into a publisher by building a ‘content marketing machine.’ This objective is catchy but thoroughly misguided and can explain why countless brands are questioning the worth of their efforts. For B2B organizations in particular, high-quality lead generation today requires an objective focused on the transformation of prospective buyers before the transformation of sellers. Without first adopting that perspective, your machine is sure to be nothing more than spinning wheels.

In the first article in this series, I explained how the most impactful type of content marketing is a nuanced and actionable form of thought leadership known as commercial insight. Crafted and positioned properly, commercial insight reframes how prospective buyers thinks about their own business or life, enlightening them about a better way to achieve their goals that is in alignment with your organization’s solution. The fact that commercial insight often takes the form of content, and that its distribution resembles that of a media organization, can be deeply misleading.

Shifting perspective from seller to buyer

Commercial insight isn’t effective merely because it’s in the form of content — it’s effective because it facilitates the prospect or user’s journey from the status quo to a value-added approach that is enabled by the seller’s offering. A successful content marketing machine doesn’t manufacture content, it manufactures journeys.

To understand this distinction, consider the approach HubSpot takes. On the surface, it may seem like they’ve built a content marketing machine that publishes nearly infinite content. But what they’ve done is far more nuanced than that. HubSpot’s focus isn’t on transforming themselves into a publisher — it’s on transforming traditional marketers into inbound marketers. As one convert whose organization benefited from the value-added inbound approach puts it, HubSpot’s strategy is “human-centric.” That choice of words is indicative of the importance of starting with a focus on the user instead of the brand.

When the objective shifts to creating and disseminating actionable, buyer-centric insight, many of the strategies organizations currently pursue hardly make sense. For example, why would anyone hire a journalist or someone with an editorial mindset to kickstart such an initiative? These strategies optimize the production of content — even ‘engaging’ content — but not of insight. Building a newsroom is a poor investment if your goal is to learn about and convince prospective buyers that there’s a better approach than the one they’re presently taking to achieve their goals.

Appreciating that the buyer’s ‘journey’ and not seller’s ‘content’ is the desired outcome is the first step toward engineering an effective content marketing machine, and understanding why the process may resemble building a newsroom but is in fact quite different. Next, we must reverse-engineer the very journey itself.

Content aligned with a product

It should be relatively clear by now that the ultimate destination of the buyer’s journey is a mindset that aligns with the seller’s offering. Commercial insight is intrinsically actionable because it eventually evangelizes a value-added business or life approach that is enabled by a solution.

HubSpot features customers talking about how its platform is the most effective way to manage inbound marketing campaigns. Atlassian claims that its product is the best software tool “for agile teams.” Blue Apron emphasizes sustainability with “seasonal recipes” and “ingredients that are fresher than the supermarket.” Evangelistic content connects the approach with the offering.

But it would be a critical mistake to believe that evangelism alone is enough. The challenge, especially in B2B marketing, is that your offering is only valuable within the context of an aspirational, but not obvious, mindset. If it were obvious, your organization’s offering would probably be a commodity and your time would be better spent not reading this article. Not only that, but, according to CEB researchers, “what most suppliers fail to fully appreciate is that [the user’s] current behavior is significantly more entrenched than [the supplier] might realize” (p75, The Challenger Customer).

The prospective buyer has already built a seemingly thriving organization using traditional marketing and cold-calling, so why should they transition to being inbound? Waterfall development was used to build every eight-figure product in their portfolio, so why retrain everyone to do agile? Ordering takeout is cheap, fast, and easy, so why learn to cook?

To be actionable, commercial insight does more than evangelize an aspirational state — it alsounteaches customers something they already know or believe about the way their business currently operates.” It has to because “the only way to change how a customer acts is to first change the way that the customer thinks” (p75).

Unteaching buyers is undeniably difficult though. It not only requires comprehending their current mindset, but also requires knowing how to facilitate their mindset toward an aspirational one by convincing them that they’re running their business or life sub-optimally. This quickly presents an obstacle when we fully appreciate the user’s perspective: criticism of an existing mindset from virtually anyone other than a well-respected brand will be perceived as biased.

To further complicate matters, the same researchers examined the modern day buyer’s journey and found that:

“…the average B2B customer consults nearly a dozen sources of information, spread across all varieties of touchpoints on the path to purchase. Only half of that information comes from suppliers, in total. So if you’re an individual supplier, and say you’re one of four that a customer knows to seek information from, you’ve got about 12 percent “share of information” that customer is consuming.” (p117)

Combined, these challenges appear to be insurmountable. However, organizations that refocus marketing objectives from transforming themselves to transforming buyers will immediately see the opportunity. Because the sole goal here is to evolve the buyer’s mindset about their own business, the seller is actually not part of the equation.

Content as a product

When InsightSquared rebranded their blog to something not obviously tied to themselves as a supplier, traffic increased by 20% immediately. It afforded them the opportunity to explain to sales leaders how critical it is to do things like track pipeline velocity, without having readers instantly wonder if InsightSquared was only doing so to promote an offering.

HubSpot’s ‘human centric’ approach follows a similar blueprint: Inbound.org, the largest community of marketers discussing best practices (such as how to convince stakeholders that inbound marketing is a worthwhile investment) is run by them but kept ostensibly independent. The social pressure for members to continuously evolve their strategies and tactics is greater when not perceived as an advertisement. It’s no coincidence that InsightSquared is led by former HubSpotters.

Whereas evangelistic content is aligned with a value proposition, criticism of a buyer’s mindset must somehow itself be value-added, else risk being ignored. As it turns out, the most effective way to accomplish that is often by positioning this aspect of commercial insight agnostically.

Although the process of creating agnostic channels looks strikingly similar to building a standalone media company, it should be apparent by now how the two are systematically different. While content is a common and efficient mechanism for driving a prospect’s journey from an existing mindset to an aspirational mindset, the objective is not so much content-creation as it is value-creation. The journey itself has to be perceived as valuable.

To that end, creating and distributing agnostic content far more closely resembles developing a product. And frequently, it is: many organizations have built ‘products’ that facilitate a buyer’s journey to an aspirational mindset.

UberFlip, a marketing tool, developed GradeMyStack to assess your current marketing infrastructure and point out areas you can improve. Crew, an exchange of freelance designers and developers, continuously launches side projects like Moodboard, which is a community for people to share and get excited about website design ideas. Crew’s various side projects garner so much interest in initiatives that require freelancers, that they collectively account for 40% of the company’s revenue. ‘Content marketing machine’ may in fact be a misnomer.

Of course, the point isn’t to create agnostic channels, but to facilitate the user journey however that’s best accomplished. LearnVest, for example, offers a free and branded, personal finance-tracking suite for you to first realize the value of fiscal prudence before upgrading to get your own financial planner. Their tagline captures the objective quite well: “Tell us where you’re starting, where you want to go, and we’ll fill in the rest.”

The process for creating such marketing channels is virtually identical to product management, albeit the latter having success measured in terms of revenue and the former in terms of freshly-minted aspirational thinkers, or ‘sales qualified leads.’

All that’s left is the conductor

In my last post, I argued for organizations to enable marketing teams to have a direct impact on the product roadmap with the commercial insight they discover. But that’s not enough. Marketing teams also need to understand some element of the customer’s business better than the customer does, and must think like a product manager to convey that insight in a value-added way. As one expert explains, you have to create “marketing so useful, people would pay for it.”

Unfortunately, this is far outside the scope of traditional marketing, not to mention journalism. It’s no surprise that the aforementioned researchers concluded their study by stating that the “skills and knowledge” required for high-quality lead generation “are in short supply” (p223) at most organizations.

Publishing content is specifically not the point of a content marketing machine. Beginning with a focus on the apparatus is putting the cart before the horse — organizations must first transform buyers before learning how to transform themselves. Such an initiative must be led by someone who possesses the skills to understand customers and create value from scratch. Throw a dash of writing skills in the mix and you’ve got yourself what I call a contentrepeneur. Quick, track down your HR team.

Recap and ramifications

To generate high-quality leads, marketing teams must take a buyer-centric approach to creating and disseminating commercial insight. While such a strategy likely involves publishing content, the overlap with media journalism ends there. Instead, organizations must evangelize a value proposition that aligns with an aspirational mindset, and ensure buyers take the journey there from an existing mindset. To accomplish this, a new breed of marketer must be sought after and empowered.

Transform the buyer. Framing strategies in terms of building a content marketing machine may sound exciting, but is ultimately flawed. Because of this, too much content in the market is either too seller-focused (spam) or too focused on what the buyer already knows (engagement) without confronting the transformation that needs to take place. Once the journey becomes the objective, content becomes just one weapon in the arsenal.

Transform the seller. Contrary to popular opinion, AdBlock and cord-cutting rendering ads no longer cost-effective should not be the reason you instead start publishing content. Believing otherwise will lead you to optimizing for the creation of content just referenced that doesn’t move the needle anyway. Maintaining such an antiquated mindset results in a dependency on tactics such as sponsored content and SEO, and the need to continuously reinvent yourself the moment consumers sniff out the deception or Google changes its algorithm.

Empower the conductor. Our existing marketing construct will not suffice. The sustainable approach is to find someone who operates entrepreneurially to not only create content that is aligned with value, but is itself valuable. For that to be possible, the conductor must also understand customer best practices better than customers themselves do.

Up next

Working on both product and content for two startups has enabled me to realize the potential at the intersection of the two disciplines. In the next and final article in this series, I’ll explore how organizations can test and validate content initiatives to achieve re-oriented objectives.

← Back to the first article | Subscribe to updates about next post →

Thanks for the feedback: A.J. Lawrence, Yair Aviner, Dimitry Apollonsky, Zion Kim, and Corona.

Next Story — Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim
Currently Reading - Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim

Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim

Quando fiz meu vídeo sobre o hilariante fiasco da campanha de crowdfunding da “hamburgueria” Zebeleo (sim, ainda tenho um implicância quase irracional com esse termo desnecessariamente gourmetizado), fui duramente criticado por reduzir a tal Bel Pesce a “um desses playboys aí” com o que muitos julgaram ser um ar de desmerecimento.

O vídeo da presepada dos três foi tirado ao ar, mas a internet jamais nos priva dessas coisas. Aqui está o reupload:

Eu jamais tinha ouvido falar na moça, pra surpresa de muitos, e minha suposição é que ela era apenas mais um rosto entre essa turminha de hipstersmillenials descoladinhos e cosmopolitas que orbitam o mundo marketeiro brasileiro enquanto repetem jargões da propaganda. Você sabe, aquela galera que está sempre inovando o mindset 2.0 do paradigma com sinergias do brand pra agregar ao engajamento do upcycling de um job e coisa assim.

Ledo engano. Fui informado que, em vez disso, a garota é uma wunderkind brasileira sem paralelos. Formada pelo célebre MIT, a menina passou por pelas mais consagradas instituições do mundo da tecnologia — Microsoft e Google –, e até meteu o dedo no sistema bancário. Não parando por aí, ela também fundou várias empresas (uma delas que, seguindo a cartilha de sucesso no Vale do Silício, foi posteriormente vendida por milhões).

E após todo esse sucesso que não deixa a desejar perante as biografias dos grandes luminários da tecnologia como Bill Gates, Steve Jobs ou Elon Musk, Bel Pesce voltou ao Brasil pra injetar uma necessária dose de empreendedorismo na nossa combalida economia.

Em outras palavras: eu sou um perdedor imbecil invejoso e a garota é um prodígio promissor que trouxe reconhecimento e o espírito empreendedor ao Brasil.

Da mesma forma que minha falta de respeito com os respeitáveis louros da garota provocou incômodo em muitos, houve um outro tipo de chateação no vetor oposto — alguns inscritos se revoltaram com a oportunidade que eu perdi de expor a moça que, de acordo com eles, é uma charlatã do emergente (e lucrativo) mundo do chamado “empreendedorismo de palco”. A mulher é uma fraude, insistiam alguns, e quando ouviram seu nome saindo de minha boca, eles esperavam que o foco do meu vídeo seria desmantelar a fachada de sucesso que a garota montou à base de palestras de auto-ajuda vazia salpicada com clichês requentados do tipo “acredite no seu sonho” e “cada derrota é uma lição aprendida”.

Esses detratores fizeram a moça soar como um Robert Kiyosaki de saias, isso é: um suposto empreendedor que é referenciado e reverenciado exclusivamente por gente iludida com promessas de riqueza e glória através de esquemas furados. Da mesma forma como o Kiyosaki é um profeta da galera das pirâmides financeiras, a Pesce seria da turminha com gana de “empreender”.

Incerto de qual dessas versões de Bel Pesce seria mais fiel à realidade (e já antecipando que a verdade estaria mais ou menos na intersecção das duas, o que é geralmente o caso), fiz o que fui ensinado a fazer dois mil anos atrás nas minhas aulas de Metodologia Científica na UFMA — observei sistematicamente, verifiquei a veracidade dos fatos propostos, e elaborei uma hipótese passiva da revisão por pares.

E a hipótese em que cheguei, lastreada nos fatos que discutirei nesse texto, é a terceira etapa do processo. Sejam meus pares e digam-me aí vocês o que pensam.

Então. Pra entender melhor a biografia da moça, fiz o mesmo que faço quando a solução de um puzzle num videogame me escapa: recorri ao Google.

Fui levado ao seu site em inglês, onde é declarado que:

She studied at the Massachusetts Institute of Technology (MIT), where she got Majors in Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, and got Minors in Economics and Mathematics.

Eu franzi a testa. É uma forma particularmente curiosa falar qual a sua formação acadêmica dizendo que tem “majors em X” e “minors em Y”, e pra entender porque, preciso explicar como funciona a educação superior gringa.

Nos EUA/Canadá, o processo de formação acadêmica permite que as disciplinas eletivas (ou seja, aquelas que não são diretamente fundamentais para o seu diploma) se agreguem de forma que você pode ser dito um mini-especialista num determinado assunto que foge da sua área principal, mas é também do seu interesse. Por exemplo: tenho um amigo que é formado em Biologia (ou seja, esse é o seu “major”; ele é biólogo, essa é a área de enfoque da sua carreira acadêmica e seu título), com um “minor” em Psicologia. Ele não é um psicólogo e nem pode se meter a diagosticar ninguém; ele tem apenas conhecimento superficial dos fundamentos da psicologia.

Que fique claro: o objetivo do minor é puramente saciar um interesse leve duma disciplina. Academicamente falando, é pouca coisa acima de ler artigos na Wikipédia sobre um assunto. Não é vantagem que se conte.

Além disso, dentro da cultura norte-americana, a linguagem do “tenho um major em X” é típica de alguém que cursou algo, não completou, mas quer ainda usar este fato para imbuir-se de autoridade acadêmica num determinado assunto, levando o interlocutor a concluir que está falando com um especialista formado naquela area.

Seria como eu querer usar o fato de que “cursei Física!” pra soar erudito e detentor da razão num assunto científico, omitindo o fato de que não me formei e que foi há tanto tempo atrás que não lembro mais de quase nada do curso.

Isso talvez se deva, naturalmente, a uma certa de falta de familiaridade da garota com a cultura e a língua (ou não, já que ela morou lá por sete anos), mas me deixou com várias pulgas atrás da orelha. A sintaxe mais comum seria dizer algo como “I have a degree in X”; informar major e minor é desnecessário.

…exceto, é claro, caso você queira pintar-se como um super-especialista que domina inúmeros campos diferentes. Ao longo da minha “investigação”, descobri que parece recorrente o hábito da empreendedora de exagerar seus feitos usando palavreado vago.

A impressão que acabei tendo da Bel Pesce é, talvez mais do que os “Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, Economics and Mathematics” que seu site enumera, a área em que ela é realmente expert é aumentar seu capital social aparente inflando seus feitos através de uma linguagem cirurgicamente específica que, embora evite entrar descaradamente na mentira, tem um claro design de induzir o interlocutor ao engano em relação às suas realizações.

Sabe o cara que descreve seu trabalho de caixa no McDonalds como “analista responsável pelo fluxo de capital operacional de uma grande empresa multinacional”? É nesse território em que estamos, e eu acho que posso provar isso de forma inegável.

Foi por isso que a moça parecia ter diplomas de Schrodinger — o número de canudos dela sempre variava entre 4 e 6 dependendo de quem estava escrevendo a matéria em português, um sintoma perceptível da dificuldade brasileira em compreender o que diabo seriam os “majors” e “minors”. “Bota aí que ela tem seis ‘diplomas’ mesmo, porra”, consigo ouvir mentalmente o redator preguiçoso ordenando alguém a simplificar a coisa.

E se a Bel Pesce se incomodava em publicarem erroneamente que ela era uma multi-profissional especialista em tudo e um pouco mais, ela não fez grandes esforços pra esclarecer isso.

Esse detalhe de “major/minors” (ao mesmo tempo que parce deliberadamente evitar se identificar como formada) foi justamente o proverbial “onde tem fumaça, tem fogo” que desencadeou meu interesse em verificar as supostas conquistas da moça. Se a moça tivesse dito desde o começo “sou formada em X e Y, ponto”, eu não precisaria ter que escrever 10 parágrafos explicando isso, porque ninguém estaria pensando que a mulher tem um número surreal de formações e usando isso como argumento de que ela não pode estar errada. Como falei, fazer acreditarem que ela é uma profissional com múltiplas áreas de expertise não foi acidente — foi por desígnio.

Olha até a porra da UNICAMP falando que a mulher “se formou simultaneamente em cinco faculdades: engenharia elétrica, ciência da Computação, administração, matemática e economia“.

Em seu site em português, ela diz com todas as letras que se formou em cinco disciplinas. Ela também omite, mas é óbvio, que “Electrical Engineering and Computer Science” é um curso só no MIT,e não dois como ela obviamente tenta fazer parecer.

Diga-se de passagem, através do link aí do OpenCourseWare você pode literalmente assistir todas as aulas, acompanhar todos os exercícios do curso, fazer as provas e tudo. Espantoso!

Voltando às lorotas da Bel. Essa forma estranhamente inflada de descrever sua formação, somado a sites gringos dizendo explicitamente que ela “dropped out of MIT” (ou seja, “largou o MIT”), me faz pensar que nem formada ela é. Não estou dizendo que ela não é — estou dizendo que ela usa linguagem típica de quem não é, e que isso é… estranho. Uma formanda do MIT não deveria precisar desse tipo de palavreado pra inflar seu currículo.

O que ela está tentando esconder…?

Em seguida, voltei minha atenção à Lemon, uma (finada) empresa de planejamento financeiro que a mídia brasileira reportou que Pesce teria fundado. A página de Economia do UOL diz explicitamente que a brasileira fundou a Lemon, adicionando o floreio poético de que a empresa “nasceu das idéias dela”. A IstoÉ confirma que a autoria da Lemon é de Pesce, dizendo que a moça “montou sua própria empresa”. Nesta outra matéria, o UOL dá crédito de fundadora da empresa à Pesce (além de martelar novamente as supostas 5 formações da garota, num exemplo prático da máxima da “mentira contada mil vezes que se torna verdade”).

A fonte disso, evidentemente, são afirmações da própria Pesce — visto que nada no registro histórico da empresa confirma isso. De acordo com a Wikipédia, o fundador da compania é um empresário chamado Wences Casares.

A propósito, Casares deu em 2012 ao The Next Web esta entevista falando sobre a adição de Bel Pesce ao time. Por que um outro maluco estaria apresentando a suposta fundadora da parada como “uma adição ao time”, eu não sei. Ela não é citada como co-criadora ou nada assim.

Literalmente todas as matérias escritas sobre a Lemon que falam sobre um fundador (que não sejam brasileiras, e portanto usando como fonte a própria Bel) identificam Casares como tal. Aí estão algumas:

http://www.bizjournals.com/phoenix/blog/techflash/2015/08/lifelock-lemon-founder-locked-in-dueling-lawsuits.html

http://www.coindesk.com/lemon-wallet-acquired-lifelock-42-6m/

http://mashable.com/2013/12/12/lifelock-acquires-lemon/#YLeyy1Qj4mqf

http://www.recode.net/2014/3/13/11624538/lemon-digital-wallet-founder-wences-casares-gets-20-million-in

https://aerolab.co/lemon

http://latino.foxnews.com/latino/money/2013/12/20/son-sheep-ranchers-lemon-wallet-co-founder-wences-casares-is-serial/

http://www.forbes.com/sites/brucerogers/2012/08/23/will-wences-casaress-lemon-com-replace-your-wallet/#697a181d43cc

É claro e inegável — A única pessoa alegando que Bel Pesce fundou a Lemon é Bel Pesce. Curiosamente, ela jamais corrigiu os repórteres que atribuiram a empresa a ela (de onde você acha que veio a versão em que ela é a criadora da parada, afinal de contas…?).

Ela trabalhou na empresa, sim, mas exagerou os detalhes de sua atuação, o que é bem similar ao exagero dos quatro ou cinco ou seis diplomas.

Veremos que isso é um padrão no currículo da “empreendedora”.

Antes da Lemon, a Bel já era conhecida como uma história de sucesso por “ter trabalhado no Google, Microsoft, e Deutsche Bank”.

Exceto que ela não “trabalhou no Google, Microsoft e Deutsche Bank” da forma que vem em mente quando lê esse currículo, e essa ilusão é mais uma vez intencional. No seu LinkedIn, ela é atipicamente franca — na verdade, ela fez apenas curtos estágios facilitados por um programa do MIT que envia estudantes pra trabalhar em grandes empresas. A realidade é que não há nada de muito glamuroso nesses estágios — os estudantes geralmente executam afazeres triviais ao redor do escritório e participam em modo “read only” (ou seja, só observando, sem muito input ou autonomia) de alguns projetos paralelos das empresas. Basicamente, pra ver como é que é trabalhar no Vale do Silício.

Diga-se de passagem, o MIT manda aluno a rodo pra ser escraviário em empresa de tecnologia. Não é algo particularmente excepcional ou prestigioso. Vários destes estágios sequer são remunerados.

Somando todo o tempo que ela passou nessas três empresas, dá pouco mais de um ano — 4 meses no Google, 4 no Deutsche Bank, e outros 8 na Microsoft (embora neste vídeo ela diga que só passou 3 meses lá…?). E, novamente, o registro histórico não confirma suas alegações de que ela participou de projetos das empresas.

Por exemplo. No LinkedIn, Pesce diz sobre sua atuação na Microsoft:

[Bel Pesce] was part of a project to develop software that uses a webcam to track users’ actions. The main goal was to create a Multi-Touch interface that would let people interact with computers by only using a webcam and colored objects. The project also included a Software Developer Kit (SDK) that would allow other users to create their own Multi-Touch applications. Bel was part of the day-to-day of the project, documented the SDK, produced a demo to show the power of the SDK, recorded walkthrough videos to teach how to use the SDK.

Só tem um probleminha. Aqui está a lista de coordenadores e desenvolvedores do projeto. Aqui há uma página onde o grupo responsável pelo Touchless presta agradecimentos a membros da comunidade que também os ajudaram. Repare a distinta ausência do nome da Menina do Vale nas duas.

[ ADENDO ] Aparentemente às pressas, o responsável pela página adicionou ONTEM uma referência à Bel:

É estranho que uma página intocada desde 2008 seja atualizada horas pra citar a Bel poucas horas após a publicação desse texto. Não parece ter enganado ninguém, no entanto, se julgarmos pelos comentários da página:

E este é o vídeo da apresentação do SDK do Touchless:

https://www.youtube.com/watch?v=hJuJJOK7MMc&ab_channel=MikeWasserman

A empreendedora brasileira também não se faz presente nessa apresentação. O que é muitíssimo provável é que em sua curta curta passagem na Microsoft, ela fez nada além de auxiliar o grupo em tarefas triviais de escritório — ou seja: coisa de estagiário mesmo.

Isso não a impediu de, aos 24 minutos deste vídeo, se caraterizar como líder/organizadora do projeto. Michael Wasserman, o real idealizador do Touchless, talvez não gostaria de saber que uma autora brasileira de livro de auto-ajuda está tomando crédito por sua invenção.

Quando fala de seus dois meses no Google, Bel diz que…

Developed a tool that help find bottlenecks in the machine translation code. The tool puts together CPU, RAM and disk usage information, along with periodic code profiles.

Mas que “tool” foi essa? Cadê o nome da ferramenta? Por que omiti-lo…? E a documentação? Referência em algum lugar qualquer? Confirmação externa de seu envolvimento com tal ferramenta?

Não existe.

Em sua outra passagem pela Microsoft, ela atribui a si mesma…

Development of software for Smartphones
Fully experienced Program Manager, Developer and Tester roles during the project:
Program Manager: organize the project as a whole — write specifications, negotiate features, drive meetings, research technologies, design project website
Developer: Write clean and efficient code, making use of the newest technologies to improve coding solutions
Tester: Create smart test cases and debug the software

Que software ela desenvolveu pra smartphones? Estagiária program manager? Como assim? Aliás, é curioso que esta prolífica programadora e “fully experienced program manager” não tem uma página no github, ou uma linha de código sequer atribuída a ela. Como alguém frequentou uma das maiores faculdades de tecnologia e se formou em Ciência da Computação sem ter literalmente UMA LINHA DE CÓDIGO PUBLICADA chega a ser fantástico.

Já na Ooyala, uma plataforma de vídeo online que ninguém nunca ouviu falar na vida, ela teria “liderado três times de engenheiros”. Aliás a citação é perniciosamente recorrente:

Eu te desafio aqui e agora a achar QUALQUER menção da moça trabalhando na Ooyala, qualquer documentação, e liderando os tais “três times de engenheiros” que não seja um texto citando isso como seus atributos de palestrante. Vai lá.

Ela só diz que fez e aconteceu, e a mídia acreditou sem pestanejar. Além de aumentar sua contribuição em projetos, essa é a outra marca registrada de Bel Pesce — a estranha ingenuidade que a mídia brasileira tem perante suas alegações facilmente refutáveis.

Além dessas conhecidas empresas em que Bel Pesce teve uma brilhante participação [citation needed], a inovadora também iniciou inúmeras empresas próprias. Quando eu digo “inúmeras” é literalmente porque não consigo enumera-las; quando mais eu pesquisava, mais empresas supostamente criadas pela Bel Pesce apareciam. A garota é uma boneca russa de empreendimento, você abre uma e tem outra empresa dentro.

Por exemplo. Neste artigo, aparentemente escrito por algum tipo de fanboy da garota, aparece a menção do Talenj, uma empresa co-fundada e comandada pela Bel. O site descreve o Talenj como “a company that makes and designs websites”. No Twitter, ela diz que a proposta da Talenj era “conectar consumidores a marcas por meio de competições“. A UNICAMP descreveu o Talenj como uma empresa que “promove aprendizagem por meio de desafios on lines“.

É quase como se ninguém soubesse que porra afinal é o tal Talenj, né?

Hoje eu farei algo que ninguém da mídia fez: vou te mostrar o que é realmente o Talenj.

É disso aí que a garota é CEO. Ou nem isso, já que de acordo com a política de privacidade da “empresa”, o responsável pelo site é um tal de “Alex”.

Voltando ao LinkedIn da moça, vemos que ela foi responsável pelo “business development” de um tal de Krowder.com. A página é defunta, e até o Wayback Machine tem dificuldade de catar seus elementos. Por que ela estaria clamando atuação com título glamuroso numa “empresa” morta, que ninguém jamais ouviu falar, supostamente num estado onde a Bel Pesce nunca morou?

Acho que podemos imaginar.

Ela é também a CEO e fundadora do WhatIf, um site com design que eu esperaria de um adolescente em 1999 e não de uma graduada em ciência da computação pelo MIT. Novamente — página quebrada, defunta, sem qualquer referência a ela como fundadora, e que muito evidentemente não rendeu um centavo qualquer.

Entre 2007 e 2008, Bel também diz ser a CEO e co-fundadora do “WaterAfrica”, engajada no “Development of a solar-powered piping system that enables better water distribution in Africa“.

Achei duas WaterAfrica na internet inteira. Uma foi fundada em 2006 por alguém chamado Bill Savage, e a outra existe desde 2001. Lembre-se disso da próxima vez que um fanboy da empreendedora disser que a menina “gastou tanto de seu tempo com ONGs beneficentes”, como foi o caso nos comentários do meu vídeo. Talvez ele ache que ela DE FATO fundou tais empresas, quando a realidade é que eram devaneios esparsos de uma garota imaginativa.

Eu paro pra pensar que esse texto seria bem menor e mais fácil de escrever se a Bel não tivesse inventado TANTA história.

Eis a minha hipótese. O mérito real da Bel resume-se a ser aceita e formar-se (?) no MIT. Lá ela tentou entrar na indústria da tecnologia, e aparentemente não obteve muito êxito, porque tudo que ela conseguiu fazer foi estágios curtos e sites mal-acabados sem muito propósito ou sequer usuários. A empresa que ela supostamente fundou foi vendida por US$ 42 milhões e a menina não recebeu um centavo sequer, aparentemente não manteve equidade na empresa, nadica de nada.

Com o visto de estudante expirando e nenhum prospecto trabalhístico concreto que a permitisse estender sua estadia na gringa (em um vídeo que agora não encontro, ela deixa esse detalhe escapar, chegando a brincar que cogitou casar com um americano pra permanecer nos EUA), o jeito foi voltar ao Brasil. Foi aí que ela decidiu reinventar a “Bel Pesce que se formou numa das mais prestigiosas instituições de ensino tecnológico do mundo e que não conseguiu transformar esse diploma em NADA rentável e sequer permanecer nos EUA” pra “Bel Pesce prodígio com cinco formações, quarenta startups de sucesso, posições prestitiosas no Google e na Microsoft, autora de inúmeros produtos e serviços”.

Não importa quão absurda seja a sua lorota — alguém vai cair nela. Tem gente que acredita no Inri Cristo, afinal de contas. Eu não esperava é que a porra do nosso jornalismo nacional (mesmo tão sedento por histórias de brasileiros vencedores) deixasse a peteca cair tão lamentavelmente, repetindo feito papagaio o suposto sucesso da mulher, inquestionavelmente dando respaldo a “empresas” como a Talenj, sem excercer o mínimo de ceticismo responsável, e assim sendo cúmplice em seu processo de finalmente abrir uma empresa de verdade:

Uma empresa que ensina os outros a fundarem as próprias empresas — com cursos ministrados por alguém que nunca fundou uma própria empresa.

Uma ouroboros do empreendimento. Um loop recursivo de “inovação”. E como não falta trouxa nesse mundo, um moto-perpétuo de dinheiro.

Se a história parece inacreditável, se a despeito de todas as provas que você mesmo pode verificar você ainda acha que a mulher DEVE ser tudo que alega ser “porque apareceu na TV, saiu na IstoÉ…”, eu tenho que te informar que você é muito novinho, ou tem memória curta. Não é a primeira vez que um suposto intelectual com mais títulos universitário do que a maioria das pessoas tem bonés foi à TV relatar seus feitos fabulosos, salpicando suas abobrinhas travestidas de sabedoria. Lembram do Omar Khayyám?

Diga-se de passagem, esse negócio de empreendedorismo de palco lembra muito o esoterismo de rituais religiosos. O culto de personalidade em volta dos”líderes” dos quais não se pode falar mal, lendas passadas de boca a boca sobre seus feitos magnânimos, essa histeria de SIGA SEU SONHO REALIZE SEU POTENCIAL… agora tem até videoclipe chifrim semi-gospel declamando as virtudes do estilo de vida empreendedor:

https://www.youtube.com/watch?v=mtu5jiGOAzA

Que negócio brega do caralho. Troque uma ou duas palavras e você pode passar esse vídeo numa reunião de Herbalife ou em culto evangélico.

Esquecemos do Luiz Almeida Marins Filho, outra estrela do circuito de palestras motivacionais, com passagens por liderança de empresas gringas e inúmeras formações (até DOUTOR ele era!) — até o dia em que alguém olhou a fundo e descobriu que boa parte do currículo era aumentado. Já esquecemos do Bernard Madoff, um dos maiores charlatões que o mundo já viu, que abusou de sua influência no mundo finnaceiro pra fraudar investidores por mais de 18 BILHÕES de dólares?

Há uns cinco anos atrás, certamente alguém que tentasse alertar um amigo admirador do Madoff ouviria um “afff mano, ele é bilionário, tá lá em Wall Street e o caralho, apareceu em mil matérias sobre empreendimento, você acha que sabe mais que ele?” Hoje Madoff, que atende por “Prisioneiro #61727–054”, anseia pela data de sua liberação do chilindró: 14 de novembro de 2139 (sério, ele pegou 150 anos de cadeia. Os gringos não passam a mão na cabeça dos 171).

Algumas pessoas obtém reconhecimento (merecido ou não) e usam isso pra vender o ilusório. Parece exatamente ser o caso da Bel Pesce — foi aos EUA, frequentou uma instituição prestigiosa, passou (rapidamente) por várias empresas, apareceu em algumas matérias na gringa, o que a conferiu o verniz da legitimidade, e pronto: mesmo sem jamais ter empreendido na vida, faz pose e fala como especialista.

E pior, vende como especialista. Ela não fala muito sobre isso porque talvez ainda esteja explorando a validade do modelo de negócios, mas aparentemente a Bel planeja em breve iniciar franquias da FazINOVA, sua escolinha de empreendimento/auto-ajuda, prevendo tiers de investimento superior a cem mil reais.

Bel Pesce não tem literalmente conteúdo algum. Esta é a verdade inconveniente. Ela é basicamente um equivalente feminino do Tai “Here in my garage in Beverly Hills” Lopez: tem dinheiro, é supostamente um famoso empreendedor, já falou no TED também… mas todo mundo sabe que o cara é um charlatão do caralho, e ele é zoado abertamente por isso.

Ela tentou enturmar-se no Vale do Silício, mas nem a formação no MIT ajudou. Sem sucesso, voltou ao Brasil enaltecendo os próprios feitos na Meca Tecnológica tipo o Alfaiate Valente que anuncia “matei sete!”, omitindo que foram na verdade sete moscas — e como o protagonista da fábula, uma vez que a patuléia acreditou no homicídio séptuplo, manter a fama foi só uma questão de malandragem.

Seus livros são repletos de anedotas que, a julgar pelo sua característica de falta de compromisso com a verdade, tem o valor histórico das estorinhas do Sítio do Picapau Amarelo. Os conselhos de “empreendimento” não chegam nem a ser rebuscados como os dos outros autores de auto-ajuda venerados por piramideiros e outras amebas intelectuais. Eu te digo pra “acreditar nos seus sonhos” e “continuar perseverando” de graça.

As “empresas” atuais de Pesce citadas em suas biografias são a tal FazINOVA, que como mencionei é um cursinho de auto-ajuda que ela tem aspirações de transformar em franquia; a Enkla, uma editora que só publica livros dela, A “Figurinhas”, uma agência de publicidade que nem site tem, e oBeDream, com um site tão vago e piramidesco que eu te DESAFIO a me explicar do que se trata.

A moça não fez nem metade do que é atribuído a ela, e seus “empreendimentos” são transparentemente um veículo pra reafirmar sua habilidade de empreendedora. Empreendedorismo vindo do nada e servindo pra alimentar o próprio empreendedorismo: há algo quasetermodinamicamente errado com essa equação.

E nem precisei ir pro MIT pra perceber isso.

(Postei o texto neste tal de Medium porque meu site tá caindo desgraçadamente desde que o publiquei. Isso que dá não ter 5 diplomas do MIT e não saber configurar servidor. Meu site é www.hbdia.com, e estou sempre lá pelo Twitter como @izzynobre)

Next Story — How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip…
Currently Reading - How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip…

How I Used & Abused My Tesla — What a Tesla looks like after 100,000 Miles, a 48 State Road trip, 500 Uber Rides, 20 Rentals & 2 AirBnB sleepovers.

Most $100,000 cars are babied by their owners. Never taken out except on a warm Sunday. Garaged and kept with extremely low mileage. Only driven by the owner, not even allowed to be driven by a spouse, much less a stranger.

Not my poor Tesla.

I’ve worked that thing like a rented freaking mule.

So, you ask, how did the Tesla hold up? What’s it actually look like now? What are the exact operating costs, repair numbers and dollars spent & earned on this car over the 2 years of ownership?

Read on to find out all the gory details…and the photos to prove it.

It all started on August 27th, 2014 when I purchased my Blue Tesla Model S P85. I bought it used with 35,000 miles from a local Phoenix owner for $79,000. It originally sold for well over $100K when new.

Here’s the car when I bought it with the original 21" Turbine wheels:

In just under 2 years, on August 16th 2016, I reached dual milestones: 100,000 Miles and 500 Uber Rides.

100,000 Miles & 500 Uber Rides happened within the same hour on August 16, 2016

As this was the first really expensive car I’ve owned, I needed to find a way to help pay for the car. Naturally, Uber came to mind so I signed up and actually gave the first official Uber ride in Flagstaff AZ when they opened the market on September 17th, 2014. As it turned out, this would be just one of many firsts for this particular Tesla. Here’s the tweet from the Uber rep in Flagstaff:

I ended up getting commercial insurance as I wanted to do UberBlack, the high end service. However, I didn’t actually get activated on Black for another 5 months as there was a waiting list in Phoenix. My first UberBlack ride was worth the wait: It was during the SuperBowl in Phoenix, and it was a ride that cost $305 of which I made $225.

My First UberBlack ride during SuperBowl 49 in Phoenix

During the same SuperBowl week, something crazy happened. My Tesla was getting world wide press.

Why?

Oh, just this little story about how I rented out my Tesla as “The World’s Fastest Hotel” on AirBnb. The story went completely viral as it was on CNN, CBS, ABC World News Tonight, and more blogs than I could count.

And yes, while I turned down several potential renters I did have 2 automotive reporters pay $85 & $385 (after I upped the price hoping to discourage more guests) to sleep in my Tesla as it was parked in my garage.

Awkward? Oh hell yes.

Funny? Certainly.

A real business idea? Ummm, that would be a big fat NO.

That media frenzy is what inspired my next Tesla adventure, the admittedly poorly named “Million Dollar Tesla Trip”. It was a 4.5 month, 27,615 mile journey across all 48 States plus Canada where I video interviewed interesting & inspiring people in the Tesla as we drove across the country. Interviewees ranged from founders of incredible charities, to the former Driver for Martin Luther King, several authors, lots of fellow Tesla owners, and another cross country road tripper who was volunteering with 50 youth organizations in all 50 States. It became the longest continuous road trip in an electric vehicle (unofficially) and I was the first Tesla owner to visit 200 SuperChargers. Read about my Top 11 Tips for Road Tripping in a Tesla.

After completing the massive road trip, I started renting my Tesla out on Turo.com, the “AirBnB for Cars” in October of 2015. Since my job is renting out Vacation Rentals, it wasn’t much of a stretch for me to rent out my Tesla. Turo provides the match-making service as well as insurance, so it’s worth their 25% cut.

Since I ditched my commercial insurance before the trip and wasn’t too excited about the low UberX rates, I didn’t restart driving for Uber till July of this year. I’m able to do UberX, the cheapest service, along with Select which is reserved for nicer cars and is about 2X the price although only about 1 in 15 rides is Select. Once I started though, it’s become somewhat addicting, but the beauty is I can quit or slow down any time.

Uber’s prices are so low, it really doesn’t pay to drive for Uber in an expensive vehicle especially if earning an income is your only goal. Personally, I wouldn’t Uber in any car besides a Tesla. I do it for several reasons: a great excuse to drive more, sharing the Tesla experience, and it’s fun meeting the mostly cool passengers. If you use it smartly, it can be a lot of fun, and slightly profitable.

There is no better way an individual owner can help Tesla achieve its mission “To Accelerate the Advent of Sustainable Transport” than to drive for Uber or Lyft.

One of the ways to Uber with very little time investment is to use Uber’s commute option where it only offers you riders going your same direction. This way you are paid for going where you were going already. Make someone smile while making some lunch money. Not too bad.

Total Cost of Ownership:

Cost of Tesla: $79,000 used with 35,000 miles

Regular Maintenance Cost over 65,000 miles in 24 months:

  • “Annual Service”: $600 (Yes, I’ve only done this once at 49,000 miles. Probably not a bad idea to do another soon)
  • 2 sets of tires: $1700
  • Oil Changes: Hahahahaha
  • Brakes? Nope. The regenerative braking does 95% of the work and recharges my battery at the same time.

Total Maintenance = $2300

Out of Pocket Repairs from 50,000 to 100,000 miles:

  • 12v Battery $400
  • Door Handle Repair $1000
  • Wheel well fasteners $80

Total Repairs = $1500

Total Maintenance + Repairs = $3800. Keep in mind, 65,000 miles is 5 years of “normal” driving at 13,000 a year.

I’d love to hear about any other $100K car go that far (with 50,000 miles out of warranty) and cost less than $4000 ALL IN? Oh, and I’ve probably spent less than $1,000 on electricity as well.

Earnings:

Uber — 500 Rides totaling $6,142.47 in 9 active months = $682 average per month. Less than 1 month was on UberBlack. Most of it was on UberX & Select.

Other Rides: $360

Turo — 20 Rentals totaling $6652.25 in 11 months = $604 average per mo.

AirBnb— 2 Rentals totaling $470

Total Tesla Income =$13,624.72 / 24 months = $567.69 a month average

Tesla Road Trip Savings: My 27,615 mile (the circumference of the Earth is 24,901 miles) 48 State plus Canada road trip cost $8.37. I had to pay for electricity 2 times, the rest was FREE thanks to the Tesla SuperCharger network. There were about 180 SuperChargers when I started the trip. There are now almost 300 in the USA. Gas savings assuming a 25 MPG car using a national average of $2.75 a gallon = $3037.

I also used the “Tesla Hotel” about 20 times out of the 132 nights on the road since the Tesla allows you to run the A/C or heat all night with no issues. With an average hotel cost of $75, this saved me $1500.

Total Road Trip Savings of just over $4500.

Should I have purchased the Extended Warranty?

As 50,000 miles approached, I had to decide wheather or not to purchase the Tesla Extended Warranty for $4000. This would extend the regular warranty to 100,000 miles. My choice? I was confident in the Tesla so I rolled the dice. No warranty for me.

As I hit 100,000 miles, I finally found out if I had made the right decision.

As noted above I spent $1500 out of pocket versus $4000 on the warranty so I made out by $2500.

Tesla also has an 8 year, unlimited mileage warranty for the Drive Train & Battery. This was great, as I did have the drive train replaced at about 65,000 miles and the battery replaced at about 76,000 miles. Tesla service was beyond fantastic in dealing with both issues and I was on my way with zero out of pocket cost.

The moral of the story? The Tesla isn’t a typical prissy $100,000 car. It’s meant to be driven, and driven hard. It’s not just a daily driver, it’s a high performance yet practical and extremely safe car. It’s better than a traditional car in so many categories it’s fall down funny.

So, you want to see the 100,000 mile photos??

Tesla with 100,000 miles and 19" Cyclone wheels — not as sexy as the 21’s but more economical
A few bits of road wear. The Xpel protectant has helped avoid rock chips
Some Road Rash courtesy of the concrete jungle: Manhattan, NYC

In my opinion, the Tesla has held up very well. Most of my Uber riders are very surprised when I tell them the car is almost 4 years old. Yes, there are a few more minor blemishes on the paint, but nothing out of the ordinary for 100,000 miles. I really don’t think you could tell any difference between my car and any other with similar milage even though I’ve given 500 Uber rides and rented the car out 20 times to complete strangers on Turo.

I implore any Tesla owner to throw out any notions of keeping your Tesla to yourself because you are worried you will ruin the car.

Share the hell out of it!

Sign up for Uber or Lyft and give people rides. Trust me, their reactions alone are worth it when they hop in your Tesla. Let others get a taste and they will soon realize what we already know. Let’s help spread the word about these world changing cars. My experience should prove that your car can take all the abuse you can dish out and then some.

Bonus Prediction:

I think even Tesla fans and industry analysts are massively underestimating what Tesla will do in the next few years with the cheaper Model 3 that should be fully autonomous shortly after it’s released. I think Tesla could sell 1 to 2 million units a year by 2020.

Tesla Model 3 starting at $35,000

To clarify, I believe the demand for that volume will be there, but the hard part is being able to ramp up production that fast. Odds say that will be tough to pull off.

However, once people realize they can pay $35,000 for a killer car that can earn them $30,000 in a year by simply pressing a button and telling your car to go pick up passengers for you while you work or sleep — it’s game over.

Wait, a car that makes me money?

Wait, a car that can drive me across the state for free, while I sleep or get work done? It can autopilot me through stop and go traffic, but I can drive it like Mario Andretti on the weekends?

Yes, please.

Not only will this affect car sales, but airlines will see more people shifting to driving vs flying and it will even make not owning a car more practical. This, along with many other ripple effects we are not even thinking about yet.

Bring on the disruption. It’s coming and coming fast. Just like a Tesla.

Next Story — Será que a Bel Pesce aprendeu mesmo a lição?
Currently Reading - Será que a Bel Pesce aprendeu mesmo a lição?

Será que a Bel Pesce aprendeu mesmo a lição?

Nos últimos dias, a Menina do Vale aprendeu muito sobre a vida e sobre os negócios, e disse isso há pouco em seu Facebook.

https://catracalivre.com.br/geral/educacao-3/indicacao/10-cursos-sobre-empreendedorismo-com-bel-pesce-a-menina-do-vale/

Mas será que ela aprendeu a seguinte lição?

Não construa uma imagem insólita sem embasamento, o tempo é implacável e a verdade hora ou outra vem à tona

Quando decidi escrever e buscar ser uma referência sobre empreendedorismo, conversei com um amigo e ele foi duro comigo — agradeço — dizendo que eu não deveria falar de algo em que nunca tive grandes êxitos. Por questões de autoridade, eu não deveria querer ser uma referência antes de ser uma; mesmo tendo uma faculdade de administração e um MBA em gestão estratégica de empresas, alguns negócios testados, tendo passado e contribuído em mais de 250 empresas, eu não tinha um respaldo para solidificar minha fala. Foi ali que eu mudei o discurso de “faça isso” para “eu tento fazer isso”, o que não garante nada, pois falar de empreendedorismo e inovação sem ter nada (ainda) grandioso para mostrar a respeito é frágil demais.

E aqui entra o marketing.

Bel Pesce fez seu nome por ter estudado no MIT, trabalhado no Google e Microsoft e ter ajudado a construir uma empresa, a Lemon, no Vale do Silício. Brilhante, né?! Seria, se os trabalhos no Google e na Microsoft não fossem um estágio de 3 meses de verão e se ela fosse co-founder das empresas citadas ou alguma coisa mais efetiva por lá.

Eu conheço muita gente nessa vida, meu DataEu é bem sofisticado, gente de todo canto, de diversas áreas, rico, pobre, gente que passou por variadas situações e tem muita divergência de opinião e visão de mundo. Tem gente que trabalha (mesmo) no Google, pra Amazon, startups brasileiras incríveis, empreendedores que são reis no Vale do Silício, que estudam ou estudaram no MIT, Harvard, Stanford, Oxford, Erasmus de Rotterdam (considerada a melhor escola de empreendedorismo do mundo), gente que representa o governo francês na União Europeia, diretor de multinacional, vice-presidente de multinacional, milionário, multimilionário — infelizmente não conheço nenhum bilionário — etc. O que quero dizer com isso?

Conheço no mínimo umas 50 pessoas que são 10 vezes mais importantes e com histórias que realmente valem a pena ser exploradas, mas não são, seja por opção ou por falta de oportunidade.

Quando eu conheci a Bel Pesce, realmente fiquei empolgada para ouvir o que ela tinha para falar. Eu amo gente foda, que fez coisas que nunca fiz, que consegue cativar e ser reconhecida, enfim, eu gosto de gente brilhante.

Li o livro dela, achei bacana, bem escrito, nada glorioso, primoroso ou fora de série, mas atende bem à proposta. Comecei a ver os vídeos, a segui-la no Twitter, a acompanhar no Periscope e foi ali, bem no meio daquela vontade de consumir um mundo o qual não tive a oportunidade de conhecer, que tive uma frustração bem grande.

O conhecimento que ela passava era tão profundo quanto um discurso da Dilma, mais raso que o nível a que chegou a Cantareira. Algo como: “Essa empresa é top, é show, o que eles fazem é muito 10!”, “Empreender só depende de você”, “vá atrás dos seus sonhos”, “faça meta do dia”; sobre o negócio dela: “um negócio disruptivo, inovador, disruptamente novo”. Foi ali que fui atrás para entender quem era e porque ela tinha se tornado quem era. Essa conta não fechava. Deixei pra lá, não sou obrigada a consumir o que não quero e quem quiser que consuma. Ponto final!

Segui a vida… até que, no início deste ano, fiz um post questionando os “empreendedores motivacionais”, porque de repente eles se multiplicaram na internet. Eu não aguentava mais meta do dia, frases motivacionais, usei a expressão “essa geração Bel Pesce é legal, mas a gente precisa mais no nosso dia a dia”. A crítica não era a ela, mas ao modelo replicado exaustivamente por diversas outras pessoas que se inspiraram nela.

https://www.facebook.com/groups/startupbrasil/permalink/982039795201064/

Foi uma muvuca só. Aparentemente as pessoas tinham muito para falar sobre isso.

Conheci muita gente incrível por causa disso, inclusive uma das pessoas que me ajudaram a estruturar o atual projeto em que estou trabalhando. Até brinquei que, se desse certo, eu faria um post “Como a Bel Pesce me ajudou a ganhar meus primeiros milhões”.

Eu fui chamada de invejosa, diversas vezes, e coisa pior. Vieram dizer que a conheciam, que ela é um doce e que era muito feio falar publicamente de uma pessoa — mesmo essa pessoa sendo uma pessoa pública?! Ué?! . O Murilo Gun, outra pessoa questionável, me chamou de “Bruna alguma coisa” em seu podcast, e assim por diante.

Foi nesse momento que percebi que a Menina do Vale tinha virado, graças a ela mesma e sua constante autopromoção, um mito. E como todo famoso fruto da internet, de suas legiões incontáveis de fanáticos seguidores, é praticamente impossível questionar sem que os fãs da pessoa venham argumentar que você está criticando porque está com inveja. \_(o.O)

Recomendo a leitura do texto do Rob Gordon sobre isso.

Vi no Facebook de uma Amigo

A Bel vende e sempre vendeu o produto que ela construiu chamado “Bel Pesce”, todas as suas empresas são para fomentar esse mesmo produto. E ela faz isso de forma magistral.

Há mérito nesse imbróglio todo, nunca foi isso a ser questionado, o ponto que muita gente sempre levantou e que nos próximos meses ainda vão levantar é como uma pessoa pode se vender como suprassumo do empreendedorismo e inovação se o grande feito dela seja apenas e justamente ter feito sucesso por ensinar outras pessoas a empreenderem, e só.

É o mesmo que eu vender cursos caríssimos para ensinar outras pessoas a ficarem ricas, contando que fiquei rica, ensinando outras pessoas a ficarem ricas e esse ciclo não tem fim.

E vou além, por que cargas d’água a gente escolhe líderes médios que tentam vender ilusões, fazem desserviço ao empreendedorismo dizendo que são e acontecem e que empreender só depende de você, cobrando e cobrando caro por cursos, palestras, chaveiro, hambúrguer e passeio no Peru?

Enquanto a maioria dos empreendedores brasileiros abrem hamburgueria com R$15 mil reais num trailer com o dinheiro que passaram os últimos 65 anos juntando.

Se o problema for falta de referência, posso fazer uma lista de dezenas de pessoas realmente interessantes de serem admiradas por empreender honestamente e inovar disruptamente (existem grandes projetos no Brasil inteiro, principalmente no Norte e Nordeste).

Agora, não sei se a Bel aprendeu essa lição. Mas aprendemos, todos juntos, que estudar no MIT e estagiar no Google não ensina a abrir hamburgueria através de financiamento coletivo.

Hamburgueria ‘Zebeléo’ não vai ter mais financiamento coletivo, anuncia Bel Pesce


Obs.: Um dia ainda quero ter a oportunidade de me redimir da inveja que sinto, até lá, vou continuar questionando processos, ações e pessoas que estejam em desacordo com as minhas crenças, valores e princípios.

Obs².: Fiquem tranquilos que me policio diariamente para ser melhor que minhas próprias críticas.

Obs³.: Ofensas serão deletadas.

Sign up to continue reading what matters most to you

Great stories deserve a great audience

Continue reading