Soneto de mulher

Guy Denning

Se de tudo ao teu amor serás atento, ela vai lhe dizer,

Sem você, vive paixões e na imensidão guarda amores,

Desconstrói “porquês”, sem temores,

Sente os gostos, os cheiros, os sabores, há tanto a conhecer.

Enxerga o azul do céu, sente prazer em perceber,

Do céu descobre a beleza do mar, a magia das cores,

Plana com o peso de uma pena no ar e lá se desprende dos rancores,

Transcende o corpo, toma para si o poder.

Ela é o som do sereno, o pólen, a abelha e o mel,

É canto e encanto, é Bem-te-vi, é Sabiá,

É a luz da vida, claridão que alimenta a alma.

É onda que quebra na beira, vastidão da Natureza, verde de Muriá,

É Pedra da Lua, Olho de Tigre, sedução e calma,

É a textura do pincel quando o vermelho mancha o papel.