Das possibilidades

Não há o que temer nem o que esperar. Não se espera gratidão nem sentimentos de um parafuso ou de uma porta. As emoções são esquálidas, a grandiosidade é esquelética. Maior que dar é não esperar receber, e seguir em frente; desenhando mundos e provocando a felicidade. Um dia ela cede, e que não ceda de vez, pois felicidade plena também não presta. Às vezes, um cisco no olho pode fazer falta. Nas possibilidades é que se anda, se vive e se morre. A possibilidade busca o caminho, e não o destino final. Não são os bruxos nem os adivinhos, são a poesia, a música e a filosofia que nos abrem ou nos mostram os caminhos do possível.

Mas, da mesma forma que abrem ou mostram, também fecham. Dizem verdades que encurralam, porque encurralar também é uma possibilidade. Devemos agradecer por algumas possibilidades não se realizarem, pois sempre haverá uma possibilidade melhor. Mais bonita e verdadeira.