A dor de ver a verdade.

Havia um homem que eu só vi uma vez, ele prendeu a carroça de reciclagem no pneu de um carro... E sem ver e sem entender... Ele puxava para se soltar... Eu estava passando na hora... E as pessoas gritavam "Vai estragar o carro, cachaceiro"...e ele envergonhado não sabia o que fazer entre recuar para os carros passarem e tentar se soltar. Eu apenas andei e segui meu caminho, eu deveria ter ficado, deveria ter falado, deveria ter ajudado... Eu achei que nada em mim havia sido afetado... Mas foi... 
Havia um homem... Com seu filho no colo... Estava tão frio e eu mal podia me mexer... Eu estava de blusa e eles estavam sem nada... O bebê chorava... E eu chorei... Observando pela janela do ônibus aquela cena... Não havia nada... Mas eu percebi que todos nós ignoramos tudo... Ignoramos aquilo que não nos atinge. Havia tanta dor ali, e tanta história, e ninguém parou pra ouvir. Por muito tempo, meu egoísmo não me deixou ver... E agora parece doer tanto saber que eu não posso fazer nada pra mudar... Eu queria abraçar aquele homem da carroça, e queria aquecer aquele bebê... Mas eu não pude, eu não fiz isso, eu não parei e eu não desci... Eu permaneci, chorei em silêncio enquanto andava... Não quero mais ser EU em mim... Não quero mais ignorar... Não quero mais simplesmente viver sem pensar... Há mais do que eu na Terra e não há como viver além disso... É preciso amar, é preciso cuidar, é preciso se importar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Camila’s story.