Carnaval e as infecções transmissíveis

A maior festa brasileira começa no sábado. Tá bom…. em alguns lugares já começou há várias semanas, e sabemos que na deliciosa Bahia ela durará mais que em todos os outros lugares. É música, dança, abraços, beijos e encontros casuais. Uma alegria só!

É normal o aparecimento de vários casos de doenças infecciosas após o período de carnaval devido à proximidade física na aglomerações
O beijo é veículo de transmissão de doenças como a mononucleose, conhecida como a doença do beijo (sua transmissão é pela saliva), herpes, gripes, hepatite B, caxumba, candidíase, dentre outras
A divisão de copos, garrafas e lanches também favorece a transmissão de doenças pelo contato com a saliva.

Outra coisa importante é sermos rigorosos quanto ao sexo sem o uso de preservativos. É preciso considerar inaceitável o sexo casual sem o uso de preservativos. As infecções sexualmente transmissíveis (IST), podem causar as doenças sexualmente transmissíveis (DST), como a AIDS, Vírus do Papiloma Humano-HPV, Clamídia, Gonorreia ou blenorragia, Hepatite B, Sífilis, Herpes genital e Tricomoníase (são as mais comuns).

O número de casos de AIDS (Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida) ainda aumenta significativamente e, consequentemente, o risco de contrai-la também (http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/miles-to-go_en.pdf). O herpes genital a hepatite B e hepatite também são transmitidas por contato sexual www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist

Outro cuidado importante é hidratação. Tem que beber, além de cerveja, ices e catuaba, a famosa água. Muita água.

Um dos problemas mais comuns no carnaval, a desidratação e suas consequências. Atividade física extenuante, calor, bebidas alcoólicas, são fatores importantes na desidratação do corpo, se a gente não se hidrata.

Todo cuidado é pouco. Não se arrisquem.

No mais, caiam na folia…. “é muita emoção no ar”.