– Esse ônibus passa na rua tal?

– BOM DIA PARA VOCÊ TAMBÉM!

– As pessoas hoje em dia nem cumprimentam mais. É muita falta de educação.


O motorista saiu de casa após ter tido uma discussão com a esposa. Saiu puto da vida. O filho estava arrumando confusão na escola. A filha queria uma mochila nova – e cara –, igual à que as colegas da escola tinham. Estava tudo uma merda. O mínimo que ele queria era um dia tranquilo no trabalho.

A moça de cabelos pretos não tinha nada a ver com isso. Tentara pegar dois ônibus já. No primeiro, ela subiu e pediu ao cobrador para avisá-la quando chegasse a seu ponto. O cobrador esqueceu. O ponto passou. E ela precisou pegar outro para voltar. Ela pegou. Havia uma manifestação no caminho e o ônibus precisou fazer um desvio. Ela chegou atrasada em seu compromisso. Para voltar para casa, precisaria pegar outro ônibus. Não havia dinheiro para táxi. Ela não conhecia bem o lugar. Na pressa, esqueceu-se do bom dia.

– Bom dia, respondeu a moça de cabelos pretos.

– Passa, sim.

A moça de cabelos pretos entrou no ônibus. Achou o motorista grosso, mas isso era o de menos. Logo chegaria logo em casa.

O motorista seguiu viagem. O ponto seguinte estava próximo. Logo viria o próximo passageiro que não lhe daria bom dia.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.