Sol: o verdadeiro self

“À medida que o Sol se desloca através dos doze signos do zodíaco, a Terra absorve doze qualidades distintas de igual importância. Qualquer que seja o signo solar de uma pessoa, vivendo-o em plenitude, ela pode manifestar concretamente na Terra um doze avos do plano Divino da vida” - Martin Schumann, astrólogo

O Sol é a percepção imediata de si. Ao contrário do que indica a Astrologia Preditiva, essa que a gente costuma ler em jornais e sites por aí, o Sol indica quem temos o potencial de nos tornar. Não é uma condição imposta e definida no nascimento, momento em que o nosso mapa natal é impresso no céu, é um caminho de descoberta e transformação durante a vida.

Um parênteses

Antes de nos aprofundarmos em qualquer outro tema, abro esse parênteses para contar um pouco sobre como eu tenho aprendido e estudado astrologia. Não é a única vertente e nem de longe venho aqui falar que qualquer outra forma de interpretação é errada, nada disso (pelo amor de Deus, hein gente?) . Essa é a forma que mais fez sentido para mim, tenho professoras sensacionais que trouxeram essa abordagem e linha de pensamento para as aulas que tenho , e foi justamente isso que me encantou.

Vamos lá:

Assim como no universo, na astrologia os movimentos são infinitos e inacabados. Tudo se transforma o tempo todo, e não existe um fim que possamos alcançar em uma vida.
É por isso que a astrologia preditiva é considerada primitiva: reduz a arquétipos simplistas todo o potencial e complexidade de um sistema infinito e não controlável, que visa entender a vida. E aqui falo não só de humanidade, mas de vida como todos os elementos que compõem o universo, sem hierarquia ou ordem de importância. A leitura é mais rica quando desfocamos do “eu”, e passamos a observar e escutar o que o universo tem para nos dizer – muitas das vezes é nada. A astrologia do controle, no fim, se tornou mais um mecanismo que tenta prever o imprevisível: os movimentos da vida e a nossa interação com o todo. Existem aspectos que sim, podem ser sentidos em sua totalidade, mas nunca previstos ou padronizados. As experiências de cada ser são muito diferentes para serem incorporadas numa previsão macro – seja lá de qual aspecto.

Note que não é um exercício de controle e sim de relaxamento. Uma forma de compreensão gradual, já que somos um pontinho minúsculo numa rede cujo a grandiosidade nos escapa. Um exemplo? O ciclo de Plutão é de mais de 200 anos, ninguém nunca sobreviveu a ele para contar. Portanto, a astrologia é uma forma de escuta, um meio e não um fim.

Mas afinal , qual o significado do signo solar ?

O Sol, ou signo solar, é o que geralmente chamamos de “signo”. É o signo do zodíaco por onde o sol estava passando na data do nosso nascimento. Não importa se era dia ou noite, o sol estava por lá. Ele representa e descreve a nossa essência básica, mas não se engane, ele não é tão facilmente visto ou relevado. Na realidade, o signo solar de uma pessoa é uma das coisas mais difíceis de se observar, já que ele é a vida se tecendo de forma muito singular , um lugar de bastante sensibilidade e bem particular, nosso verdadeiro self. A vida sem máscaras.
O lugar do Sol no nosso mapa, indica a área de encontro consigo, o lugar onde precisamos ser vistos e reconhecidos: “Se não me enxergam, não existo”. E esse reconhecimento acontece dentro de um espaço particular , interno e muito seguro garantido pelo outro. É a nossa forma real e crua de ver a vida e de perceber as coisas, e este não é um lado que costuma ficar exposto para qualquer um que encontramos por aí. Nosso verdadeiro eu é cuidadosamente guardado, e exposto apenas àqueles com quem nos sentimos mais confortáveis ou convivemos há um certo tempo. Entende por que o Sol não é tão facilmente identificado como acha o nosso senso comum? (Esse que aparece para o mundo ver, e amar, geralmente é o nosso ascendente, mas isso é assunto pro próximo post) 
Por conta do que aprendemos na astrologia do controle, o Sol é posto como a totalidade do ser. Ou seja, é considerado como principal ou única característica de uma personalidade, sem levar em conta aspectos importantes, a posição de outros planetas e o conjunto de elementos importantes para que um ser possa ser descrito. É por conta disso que a astrologia se esvazia, não existem dois seres iguais ou parecidos. Nem todos arianos agem do mesmo modo ou se comportam de tal maneira, por exemplo. Existem nuances muito importantes que se perdem nessa tentativa de padronizar e colocar em caixinhas elementos que na verdade são únicos. 
O signo solar representa o seu centro mais puro de energia e é a qualidade através da qual será possível entrar em harmonia consigo durante a vida. É daí que surge uma descoberta bem interessante: não nascemos o nosso Sol, nos tornamos nosso Sol. Ao longo do caminho. Tanto que a maioria das pessoas só alcançam o seu pico de glória na meia idade, depois de já ter passado por algumas experiências que moldaram o caminho e as impulsionaram para se tornarem quem são, sem pedir desculpas por isso. Ele nos ajuda a perceber e compreender nosso pleno potencial e, por conta disso, alcança-lo.


“Na natureza existe abundância de luz solar para todas as formas de vida. Cada árvore, planta, flor e animal utiliza a quantidade necessária para desempenhar suas funções. E todos atingem seu objetivo quando chega a estação adequada e recebem suficiente luz solar para realizarem os seus propósitos. Se não consegue absorver e nem assimilar a luz solar da maneira natural correspondente ao seu signo, a pessoa tem dificuldades para realizar os seus objetivos. Ela se volta então para os outros em busca de um propósito e tenta imitar as suas qualidades, afastando-se assim de sua verdadeira essência O grande sábio chinês Lao Tzu disse: "Apenas três em cada dez pessoas conseguem seguir a vida." Aqueles que compreendem as oportunidades simbolizadas pelo Sol passam a figurar entre essas três pessoas.” – Martin Schumann

Baseada no trecho acima, deixo aqui meu recado: não existe signo bom ou signo ruim. Existem sim portas e formas de enxergar a vida, que indicam um caminho muito particular a ser traçado. Este caminho é único para cada ser e é indicado através do signo solar. Ao acolhermos nosso verdadeiro self, damos um passo a frente para conquista da plenitude como ser.

Ao rejeitarmos, caímos em um jogo de imitação que nos afasta do encontro com o nosso potencial de evolutivo.

Like what you read? Give nubiha a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.