Acima de Tudo

por Maressa Costa [resumão da pala da Rach]

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. ” Pv.4:23

Estamos constantemente nos movimentando e caminhando em busca de uma vida com saúde, produtiva que dê resultados e seja agradável. Consciente ou inconscientemente, todos buscamos viver minimamente bem, apesar de as vezes ser passar por desagrados, buscamos a plenitude.

“Inclina os ouvidos aos meus ensinamentos, e guarda-os no teu coração porque são vida para quem as acham e saúde para o seu corpo.” Pv 4:20–22

Assim como na anatomia do corpo humano o sangue que cuida de todo o corpo passa pelo coração e nele é bombeado e faz com que toda a máquina funcione. Com nossas emoções é a mesma figurinha do coração que expressa todas as faces e que temos, de alegria, emoção, nojo, raiva, paixão, entre outros. E em meio a essa movimentação, com várias emoções, estamos a buscar vida. A vida que Jesus prometeu, que é em abundância. Contudo, nem sempre a gente consegue ter vida e saúde. Nem sempre nossas escolhas geram vida e saúde.

1: suficiência

No início do versículo 23 de Oséias 4, está: “sobre tudo” ou talvez: “no fim das contas” o que é importante é: guardar o coração! Ao refletir sobre nossas escolhas, nossa fé, nossa sexualidade, sobre o balanço geral de como está nossa vida…afinal, o que está acima de tudo? O que motiva ou justifica tudo o que eu faço? O que me move? O que é suficiente para me fazer seguir em frente e agir como tenho feito?

Se por trás de minhas escolhas eu não encontro essa sensação de suficiência, há algo errado! “Minhas escolhas precisam apontar para o que é simples, para o que nos reflete.” Nossa busca pela vida se resume a chegar a um ponto e falar “ok, agora foi!” Descansar na convicção de que se alcançou o que se desejava e ser isso o seu ponto de suficiência. Aquilo basta. Aquilo justifica. Dá sentido. Satisfaz.

Enquanto buscamos a Deus pelo caminho do nosso próprio desprezo e desejo, nunca será suficiente. Precisa-se de um “acima de tudo”! Acima de tudo o que eu vejo, eu terei um motivo para me manter na vereda dos justos. O sustento para o caminho. Que saibamos ser guiados pela sabedoria, que leva aos caminhos de vida. Os. 4:1–20.

2: essência

O costume dos nossos olhos é olhar para o comportamento por si só, sem considerar o que o motiva. “Enquanto a gente não tratar a essência não vai ter suficiência” Acima de tudo, guarde o teu coração, pois nele está a sua essência. Enquanto o que estiver por dentro não for cuidado, teorias, conceitos ou justificativas serão criados e perseguidos na tentativa vã de cuidar de um problema no ponto errado. Nem um caminho de castidade ou uma via de libertinagem serão capazes de alcançar a suficiência, enquanto eu não chegar à essência.

Se repararmos bem, somos como cebolas que são em camadas. Logo, sempre haverá por trás do comportamento, um coração. Por isso apenas o nosso modo de agir não nos define, porque o que nos impulsiona de fato, é o coração. Que tal descascar a camada desse comportamento?

Para além do que se vê existe o seu maior tesouro, o que te faz ser você, o que gera vida e saúde em você. Seu famoso coração! Precisamos portanto, encarar o que está além dos nossos olhos, se é medo, se é raiva, nojo, desprezo, vergonha…que tipo de emoção impulsiona meu comportamento? “Quando mais particular, mais comum.”

“Porque a gente faz o que a gente faz? Só vamos alcançar a suficiência no momento em que a gente entende o que é a essência.” Chester de Princeton

O contexto mudou, o comportamento mudou e a essência se perdeu. Se verdadeiramente a essência não for suficiente, quando a maré aumentar ou apenas em um piscar de olhos, todo o nosso comportamento é mudado, pois não temos base a qual nos firmar. E por saber que estamos soltos por aí, nos firmamos em nosso próprio orgulho, na vã tentativa de criar um escudo em nós mesmos.

“o seu orgulho é prova de que são culpados.” Os. 5:5

Então a graça de Deus se revela e mostra que podemos começar de novo, todos os dias, em busca de uma vida saudável e entregar o coração para que Ele possa guardar e cuidar, como faz desde sempre com a gente. Os. 13:4–6

3: consequência

Firmados em uma suficiência que agora é plena e concreta, nossa essência será refletida através de nossas ações. Sendo estas consequências do que cuidamos em nosso coração. Dele procedem as fontes da vida e procederão, portanto nos gestos de como vivemos. “Será que a minha consequência está em coerência com o que eu afirmo ser a minha essência?”

Para que se alcance a suficiência, é necessário questionar a essência, para que a consequência seja coerente com o que o evangelho que é minha essência, diz. O medo do não pertencimento, a raiva por obedecer regras, a solidão e tudo mais o que impulsiona minhas ações, nunca preencheram com suficiência o lugar da essência. Então sempre haverá um vazio. Sempre haverão atitudes desconexas. Nunca haverá vida. Quem dirá com saúde e abundância.

“gestos simples nos falam de quem nos conduz”

O amor de Deus e sua eternidade, são suficientes para mudar o que temos por dentro e o que fazemos por fora. Por meio do poder da graça, que nos faz nascer de novo a cada dia. “Para que possamos viver a suficiência na nossa essência e nas nossas consequências, precisamos apenas nascer.”

Permanecendo em guardar o nosso coração, diariamente por meio da nossa fé podemos nascer de novo. Buscando estar no lugar certo e na hora certa, para o que Ele tem para nós, vivendo com vida e vida em abundância, indo além de viver só na consequência, fundando nossa essência em uma vida de suficiência. Sempre buscando o que é simples, mas jamais simplório.