Gente cis é estranha, nos olha de cima a baixo, encontrando motivos para rir ou julgar.
Transnarrativas Cotidianas #3 — Vamos falar de sapatão
Daniele Cavalcante
511

As pessoas, no geral, tendem a agir de maneira julgadora independente de seu gênero. É um comportamento enraizado na cultura humana, desde muito tempo. Para mudar isso é necessário uma percepção mais ampla da cultura humana e uma imensa modificação na linguagem. Porque a linguagem é o que possibilitou o ser humano a se desenvolver; através dela criou-se termos, nomes, ideias, coisas, conceitos. Dizer que gente “cis” é estranha é, para mim, o mesmo que dizer “gente trans é estranha”; o que difere? Apenas o sujeito, o preconceito é o mesmo. E se ao invés de chamar alguém de estranho, nos ocupássemos de modificar a linguagem e dizer “gente estranha essa que busca motivos nos outros para julgá-los”. Talvez você pode pensar que, os tais “cis” são em sua maioria julgadores dos “trans” e, eu concordo, mas, indago: por que agir da mesma maneira errada que o outro age? Isso gera mudança ou apenas gera segregação? A mudança da sociedade só virá diante a mudança da linguagem: parar de rotular os amigos, parar de atacar as pessoas que nos atacam, pregar mais a ideia de autoconhecimento e compreensão da subjetividade singular das pessoas, muito provavelmente, se isso acontecesse, iniciaríamos uma radical mudança social. Não quero dizer que compreender a subjetividade do outro é aceitar o preconceito e a discriminação do outro, nada disso, o que eu quero dizer é mais profundo, compreender não é aceitar, compreender é se aproximar e ajudar. No mais, você tem razão que a ausência de números maiores para alguns tipos de sapatos (geralmente os mais bonitos) é um retrato trágico da sociedade, mostra o quão estamos sujeitos a padrões idealizados de beleza, esse texto é como um ‘abrir de olhos’, precisamos sempre ter consciência do que está havendo ao nosso redor, precisamos sempre questionar a realidade, pois só assim iniciaremos a conquista de uma nova realidade mais justa e mais aprazível.

Like what you read? Give Oanna Selten a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.