Essa rua era minha

Por Allan Gomes

Eu não conhecia a Suzy.

Mas conhecia aquela rua. Sempre passo por ela, e no meu trajeto é uma das mais importantes.

É nessa rua que costumo fazer as observações sobre a situação econômica do meu bairro. Quantos mercadinhos estão funcionando nela, quantos carros ficam estacionados. A rua São Pedro sempre foi pra mim umas espécie de termômetro do que microcosmo que é o bairro de Petrópolis, em Manaus.

Nos últimos meses tem sido tenso transitar por ela.

São muitos os relatos de assalto, e em geral com o mesmo modus operandi: dois assaltantes de moto, a mão armada, rendem transeuntes e levam o celular, de preferência, e o que mais de valor a pessoa entregar no susto.

Eu não conhecia a Suzy, mas essa semana descobri que tínhamos a mesma idade. E que ela faz… fazia aniversário exatamente um dia depois de mim.

A rua em que a Suzy morava sempre foi cheia de vida aos meus olhos.

Desde os meus primeiros passos a caminho da escola primária — e na época do colégio militar — a rua São Pedro era uma referência em ânimo.

É de lá que sai o time que disputa o Peladão, e onde se enfileiram pet shops, eletrônicas, padarias e igrejas.

Mas passei pela Rua São Pedro ontem e ela parecia de luto.

Muita gente cabisbaixa e reconheci a casa da Suzy pelo aglomerado na frente.

Na conversa que entreouvi alguém narrava o ocorrido no dia anterior. Triste.

Eu não conhecia a Suzy, mas soube agora que ela era massoterapeuta.

Uma profissão importante ao aliviar as dores das costas que carregavam hoje o fardo do absurdo abandono em que vivemos.

Uma dupla de assaltantes tem aterrorizado a rua São Pedro desde meados de 2015 e fez nesse início de ano sua primeira vítima.

Ai que bom que seria se essa rua fosse minha e eu pudesse voltar ao que ela era na minha memória só com um aceno de mão

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.