Profissionais inteligentes afiam seus machados

Conta uma parábola que, certa vez, um jovem lenhador no início de sua carreira foi trabalhar com um senhor muito famoso pela sua produtividade. O primeiro tinha uma saúde invejável, era novo, cheio de energia e vontade de mudar o mundo. O segundo, por sua vez, já não possuía tantas características positivas relacionadas aos atributos físicos; o tempo chegara para ele.

Conforme os dois realizavam seu trabalho, suas lenhas eram agrupadas em cantos diferentes: enquanto os pedaços cortados pelo velho iam sendo agrupados no canto esquerdo, os do jovem ia sendo agrupados no canto direito. Isso permitia medir o desempenho deles para no final receber a comissão por produtividade.

O dia foi passando e o jovem continuava cheio de folego e energia enquanto percebia que em diversos momentos o velho ficava descansando embaixo de uma árvore. Quando presenciava tal cena, o jovem pensava “Não posso parar, preciso ser produtivo”. E já no fim do dia, ao contabilizar os pedaços de lenha, para a surpresa do jovem o velho tinha produzido muito mais do que ele.

  • Durante o dia todo eu me mantive firme no trabalho, parei apenas para o almoço, sou forte, saudável e mesmo assim o senhor obteve melhores resultados do que o meu. Como isso é possível sendo que vi você descansando embaixo da árvore em vários momentos do dia? — indagou o jovem

De forma simpática e com um sorriso em seu rosto já judiado pela idade, o sábio lenhador respondeu:

  • De fato você se esforçou bastante durante o dia e me viu algumas vezes sentado embaixo de uma árvore. Porém, a única coisa que você não percebeu é que enquanto se esforçava cada vez mais para cortar uma árvore, eu parava para afiar o meu machado.

Quantas vezes na vida não ficamos tão focados e imersos pelos nossos problemas e entrega de resultado que acabamos nos esquecendo de afiar os nossos machados? A primeira analogia que podemos fazer é que o machado do desenvolvedor é o cérebro e os músculos, isto é, aquilo que dá forças para cortar a árvore, é a sua motivação.

Apesar de não podermos ir em uma loja de utilidades e comprar uma ferramenta para afiar o nosso cérebro, existem uma série de posturas e atitudes que podem aumentar o nosso desempenho na hora de resolver problemas e, de quebra, curtir a sombra de uma árvore. Eis uma compilação de 7 atitudes que certamente poderão dar excelentes resultados em sua vida.

#1 — Aprenda dormindo

Durante o dia, o cérebro humano processa de forma subconsciente diversas informações que nem sequer percebemos. Isso acontece quando estamos em uma conversa, quando estudamos ou quando simplesmente vivemos a vida. O resultado desta BigData que nosso cérebro produz passa por um novo processamento enquanto dormimos.

É durante o sono que nosso cérebro separa as informações que considera importante e as salva em um “backup” na memória de longo prazo. Assim que construímos aos poucos novas ideias e também fortalecemos as antigas. É por isso que o corpo precisa de 5 horas para descansar e depois de mais 3 horas para reequilibrar nossas emoções e absorver novas ideias.

Muitos profissionais de alto desempenho caem na armadilha de dormir pouco, deixando de lado boas noites de sono para ficar produzindo, lendo ou simplesmente se distraindo no Netflix. Isto não é uma boa prática. Ao abrirmos mão de uma boa noite de sono para se distrair, acabamos não tendo um bom rendimento intelectual no dia seguinte.

“VOU DORMIR. SÓ ME ACORDE PARA DAR DINHEIRO!”

#2 — Exercite-se

Todo mundo sabe que fazer exercícios físicos é excelente para manter a saúde do nosso corpo. Ainda mais no Brasil, que possui uma cultura que valoriza muito a estética bem definida. O que não é muito divulgado pela mídia é que os exercícios físicos também são ótimas ferramentas para afiar o nosso cérebro.

Pesquisadores da US National Institute of Aging perceberam uma relação entre a prática de exercícios físicos e o aumento na produção de neurônios no nosso cérebro. O mais interessante é que os neurônios são produzidos em sua maioria nas regiões relacionadas a aprendizagem e a memória.

Como se não bastasse os benefícios diretos para a nossa saúde e para o nosso cérebro, os exercícios físicos também são ótimas ferramentas para redução do estresse e aumento de neurotransmissores relacionados ao prazer em nosso corpo. O que é ótimo, já que o estresse pode atrapalhar o nosso desempenho profissional.

Uma enfase merecida vai para a corrida que, além de ser um exercício barato e de fácil execução (você pode correr em qualquer lugar), este também é capaz de nos fornecer uma dose de dopamina (fundamental para o foco, produtividade e motivação), serotonina (diminuição da ansiedade) e também auxilia na produção de novos neurônios.

Portanto, deixar o sedentarismo de lado pode ser uma ótima opção para aqueles que se preocupam em afiar o cérebro para e melhores resultados seja no âmbito profissional ou até mesmo pessoal.

“RUN, FORREST! RUN!”

#3 — Aperte o pause

O cérebro humano é o órgão que mais consome energia no nosso corpo. Para se ter ideia, mesmo pesando apenas 2% do peso do corpo, 20% de toda a energia consumida por nós é destinado para mantê-lo a todo vapor. Por isso, saber como usá-lo é muito importante para resolver os desafios de negócio dos seus clientes com eficiência.

Francesco Cirillo era um cara que tinha bastante dificuldades para se concentrar. Incomodado com tal condição, Cirillo fez uma vasta pesquisa e descobriu que 25 minutos seguidos é o máximo de tempo que nosso cérebro consegue manter a concentração sem perder a performance. Conforme passamos mais tempo focados em um mesmo contexto, inicia-se aos poucos um processo de deterioração do desempenho.

Assim ele inventou a Técnica do Pomodoro, ou Pomodoro Technique, como é conhecido em inglês. Basicamente a técnica consiste em dividir o seu dia em pequenos blocos de 25 minutos cada. Estes blocos são utilizados para realizar as tarefas do dia, que devem ser executadas sem interrupção alguma durante este intervalo.

Após o período de imersão total no problema, é a vez de dar uma pausa de 5 minutos para descansar e fazer o que quiser: ir ao banheiro, beber água ou até mesmo entrar no Facebook. Neste momento vale tudo o que te faça relaxar a mente, mas não pode passar de 5 minutos. Além disso, deve-se dar uma pausa de 25 minutos a cada 4 ciclos completados do Pomodoro.

Esta técnica é de simples entendimento, mas para que funcione realmente você não pode ser interrompido de forma nenhuma durante o flow. Além disto, ela é uma técnica polêmica, pois pode ser de difícil aplicação prática por questões culturais das empresas.

“QUANTO MAIS EU DESCANSO, MENOS TEREI QUE DESCANSAR. BONITO. FILOSÓFICO.”

#4 — Abra uma biblioteca

A leitura é uma ótima forma de melhorar a sua performance no trabalho. Quando lemos, seja a leitura técnica ou por lazer, também estamos estimulando áreas do nosso cérebro relacionadas a atenção, concentração, memória e vocabulário. Além de ser uma excelente forma de aprender novas habilidades. Para programadores, sugiro que a leitura seja dividida em hardskills, softskills e lazer.

Por hardskills entenda como as habilidades técnicas em geral, como conhecimento em linguagens de programação, contabilidade, direito constitucional, enfim… Neste contexto, procure os livros clássicos de sua área, principalmente aqueles que estão relacionados a conceitos, pois tecnologias degradam-se com o tempo, mas conceitos demoram mais.

Já as softskills são as habilidades ligadas ao comportamento, a gestão, visão estratégica, análise de negócios, comunicação, processos e desenvolvimento pessoal. É com este tipo de leitura que se desenvolvem as habilidades necessárias para analisar e definir estratégias para resolução dos problemas.

Por fim, permita-se também ler livros simplesmente pelo prazer de ler. A leitura para lazer também é uma ótima ferramenta para afiar o nosso cérebro, já que auxilia na diminuição do estresse e, para algumas pessoas, na diminuição da insônia (falamos sobre a importância de um bom sono no primeiro item).

Os profissionais mais preparados para o mercado de trabalho possuem os cérebros mais afiados por possuir uma rotina de estudo e, consequentemente, ler mais. Leia e estude bastante para que você possa criar uma base solida de conhecimentos e habilidades necessárias para superar os desafios da profissão. Isso te dará autoridade moral para sustentar seus argumentos ao longo do tempo.

“QUANDO TIVER LIDO MUITOS LIVROS, ABRA UMA BIBLIOTECA”

#5 — Pratique

Praticar aquilo que se lemos é tão importante quanto o ato de ler propriamente dito. Não só é importante como também é uma das melhores formas de se entender o que está sendo lido e de fixar as informações absorvidas.

A forma mais simples de colocar seus conhecimentos em prática é as técnicas que se aprende durante a leitura, executando exatamente o que está descrito no livro. Parece óbvio, mas muita gente acaba não absorvendo o conteúdo lido com qualidade, simplesmente por preguiça de colocar a mão na massa ou por achar que já entendeu. Existe um abismo de diferença entre entender um conteúdo e absorvê-lo de fato.

Outra forma muito simples de praticar o conhecimento adquirido é criando um projeto pessoal para resolver algum problema. Você pode inclusive envolver outras pessoas no projeto. Neste mesmo sentido, você também pode ter participação ativa em projetos remotos, tendo assim a oportunidade de interagir com profissionais do mundo todo e trocar experiências agregando valor a comunidade de desenvolvedores.

Participar de Hackathons, ter participação ativa em comunidades, criar projetos para resolver qualquer tipo de problema existente na sua cidade, estado ou país, ou até mesmo para resolver um problema rotineiro são ótimas pedidas para colocar o conhecimento em prática.

“NA PRÁTICA A TEORIA É OUTRA”

#6 — Ajude

Ajudar as pessoas não só nos permite fazer bons contatos profissionais, como também é uma das formas mais eficientes quando se deseja entender uma técnica ou nova habilidade. Quando você tenta ajudar alguém com o que está tentando entender, você consequentemente precisará estudar com profundidade sobre o conhecimento que deseja compartilhar.

Existem várias maneiras de ajudar alguém com nossas habilidades. Você pode escrever um artigo sobre um assunto técnico, parear com algum colega de trabalho que está tentando realizar um desafio relacionado ao que você deseja aprofundar, dar uma aula para um grupo de colegas de profissão ou até mesmo criar um aplicativo para resolver um problema social.

“O QUE VOCÊ TEM FEITO PELOS OUTROS?”

#7 — Trabalhe por um propósito

Se o cérebro é a ferramenta de trabalho de um profissional de alto impacto, a sua motivação é o combustível. Quem nunca teve um dia improdutivo simplesmente por não estar motivado para resolver os desafios do trabalho? Trabalhar desmotivado é o mesmo que tentar cortar arvores sem ter forças para isso.

Para se motivar, participe de congressos da sua área para conhecer novas pessoas e consequentemente criar uma networking; procure por empresas que valorizam seus funcionários e possuem um ambiente moderno e criativo (faça por merecer); e busque oportunidades que lhe pagam o quanto você merece.

No entanto, o dinheiro não é tudo. Mais do que dinheiro, busque um propósito, algo que conecte a sua vida profissional aos seus objetivos de vida, algo que se encaixe com os seus princípios e valores. A verdadeira motivação vem de dentro e surge com força quando nossa profissão está alinhada com um propósito.

“VOCÊ JÁ SABE QUAL O SEU PAPEL NESTE PLANETA?”

Mesmo com tanta informação disponível de forma livre e gratuita, ainda existe muita desinformação em relação a produtividade. Se você passa horas a mais no escritório ou sempre leva trabalho para casa, cuidado, o seu machado pode estar ficando cego.

Ter um ritmo sustentável e qualidade de vida no desenvolvimento de sua carreira profissional é a postura mais inteligente quando se fala em produtividade. Ter atitudes construtivas em relação a sua saúde intelectual certamente trará resultados muito mais positivos ao longo da carreira. Por tanto, seja como o sábio lenhador e lembre-se de afiar o seu machado.