Valorize sua caminhada, não apenas sua chegada

Conversando com algumas pessoas nesses últimos dias, notei uma coisa importante. Hoje em dia, idolatramos pessoas bem sucedidas com seus projetos/empresas fazendo sucesso, sua vida glamurosa, festas de virar a noite. Quando paramos de olhar isso, voltamos a nossa vida atual e pensamos: Que merda eu sou? O que estou fazendo de errado? Por que ele e não eu?

Muito se fala que a depressão é o mal do século XXI. Estou longe de ser um psiquiatra para definir qual o motivo que causa depressão das pessoas. Arrisco a dizer que o fato acima deve ser um dos motivos comuns, afinal, quem nunca se fez essas perguntas?

Conheço pessoas incríveis, mas ao conversar com essas pessoas, elas não se vêem da mesma maneira que eu os as vejo. Me perguntei o motivo disso e decidi conversar com elas sobre.

Antes disso, fizemos um debate sobre a avaliação de contratação dos processos de cultura da minha empresa. O debate foi iniciado por um julgamento de um sonho que um dos candidatos falou. “Poxa, sonha pequeno né?” Essa foi uma das das frases faladas.

Vamos colocar dois casos fictícios: o do João e o do Enzo. João nasceu numa família pobre, com condições básicas, que normalmente nem sempre são certas na sua vida. Enzo é filho de uma família de classe média, bem resolvida financeiramente. João teve que abandonar por 2 anos a escola para trabalhar com seu tio para ajudar com as compras de casa. Enzo começou o ensino médio num colégio particular com grande nome em sua cidade. O sonho de João é terminar um curso superior, já o de Enzo, terminar seu doutorado em uma faculdade de referência internacional.

Ambos vão disputar a mesma vaga de um emprego. A pergunta “Qual o seu sonho?” é feita para os dois. É julgado que Enzo sonha grande, é ambicioso e que é o cara certo para a vaga. Enzo é contratado por causa dessa resposta.

O que isso tem a ver com o assunto inicial do post? Calma que eu to chegando lá!

Lembra o que eu disse sobre o debate na minha empresa? Ao final dele, verificamos que o julgamento do sonho de uma pessoa não é correto, que não existe sonho maior ou mais ambicioso do que outro sem ao menos antes de você olhar o ponto de início e o principal desse assunto, sua caminhada e seu crescimento.

João saiu do quase nada para sonhar em terminar um curso superior, já Enzo começou com meio caminho andado e quer terminar um doutorado. Com o sonho realizado dos dois, aparentemente Enzo seria uma pessoa mais ambiciosa realmente. Vamos mudar a visão para o meio e não para o fim. Vamos dizer que João caminhou do ponto 0 para o ponto 100. Já Enzo começou do ponto 60 para o ponto 140. João caminhou 100 pontos, Enzo caminhou 80 pontos. Percebe-se a diferença agora? João teve um crescimento maior que Enzo.

Diferenças entre as caminhadas de João e Enzo

OK, mas o que isso tem a ver com a depressão?

Ótima pergunta! Lembra-se do exercício de mudança de visão que propus de fazermos acima? Faça para sua vida também. Pare de comparar o seu fim com o fim dele. Ele teve sua caminhada e você a sua. Não faça com que essa diferença de vida te passe um sentimento de incapacidade e às vezes puxando para uma depressão. Valorize sua caminhada! Valorize seus pequenos passos diários! Veja quantos pontos você está conseguindo na sua vida, é isso que deveria te deixar orgulhoso de si!

Conversando com uma pessoa tempos atrás, ele me ensinou que devemos crescer 1% ao dia. Pequenas mudanças diárias no seu comportamento, no seu trabalho, no seu conhecimento, no seus pensamentos. Busque sempre a evolução! Valorize o 1% no seu dia ao deitar na cama para dormir ao invés de se sentir realizado apenas quando você atingir o seu sonho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.