escrevendo o que vem na cabeça bem aleatório mas corrigido várias vezes devido a eu ser complexado e se lembrar apagarei amanhã: segundas feiras.

Amanhã é segunda, no caso hoje de madrugada, mas não conto porque madrugadas parecem a parte obscura do dia que terminou, que no caso não terminou na minha cabeça. Lembrar que é segunda depois do primeiro que não tem, tipo, nossa primeira chance de fazer algo já corrigida que seria a primeira ai já passamos pra segunda, “sábios” e com novas esperanças de dias melhores, visando possíveis correções das nossas falhas desgastantes e que nos lamentamos sempre no dia a dia, dos defeitos imaculados e proporções a la Salvador Dalí.

Segundos dias que são os segundo lugar do primeiro que não ficamos pois nunca ficamos em primeiro, sempre tem alguém melhor e muito mais bonito por ai pra nos compararmos e fazer jus a nossa estabilidade e insegurança, graças a segunda.

Escrevi um parágrafo que demorei bem 20 minutos e apaguei todo pensando na segunda que ta pra vir e não posso fazer mais nada, o primeiro deixei passar e tenho que ser bem melhor já que agora eu sou uma pessoa engomada e com ideias melhores onde seriam minha salvação se colocasse elas em prática e fosse menos hipócrita.

A segunda veio com uma chance nova já que a primeira se foi como um bom aprendizado, agora vou dormir porque acordo cedo pra por em prática as coisas que deixei passar e ser a melhor pessoa de todas. No resto da semana eu não posso mais errar, só conto com segundas chances.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.