remoendo

Já parou pra pensar o quanto você pensa em outro alguém quando você gosta da pessoa?

Não tá acontecendo isso comigo (não sei se considero isso algo bom ou ruim pois saudades dessa sensação, de alguma forma), mas tô pensando o quanto tempo gastei mirabolando mil coisas quando tava super apaixonado por um carinha (usar “carinha” faz parecer que eu não me importo tanto agora, show). Não sei o porquê de tanta paixão minha por uma pessoa que saia a 2 meses algo assim, mas aconteceu né (teve segunda temporada e mais meses, mas deixa quieto tambem).

Tava passando no tinder e PÁ, ele (como se eu nao tivesse visto ele na faculdade dias atrás). Dei “curtir “ como um bom retardado que sou e nada, engraçado que ainda fica um frio na barriga por uma aceitação de alguém que nem posso mais conversar hoje em dia pois dilemas. O mesmo frio na barriga senti quando ele passou por mim e desconfortadamente (essa palavra existe?) trocamos olhares e uma semi semi saudação.

Resumindo: o tempo todo que gastei pensando nossa vida juntos, escrevendo bilhetes e coisas bobas, as palavras que inventei, as besteiras que fiz, os apelidos que criei, os constrangimentos e toda a parte carnal (que parte) juntos foram resumidas em pó ou se dermos sorte (acho que sorte só pra mim, no caso) frações de segundos, ou segundos inteiros mesmo.

Fico pensando o quanto desse tempo eu poderia ter gastado comigo mesmo ou ter tirado mais tempo pra mim e sei lá, algo diferente, aquele diferente que você pensa que pode mudar sua vida em dois tempos, ou em uma, ou agora.

Depois penso que não, que apesar de tudo tenho umas lembranças fuderosos onde só eu mesmo lembro e me importo (haha)

Tô perdendo tempo que poderia tá dormindo nessa hora, mas pra falar a verdade é bom demais escrever e lembrar de tanta coisa boa (ruim também porque inevitável pensar em desgraças e ter um pouco de pena de nós mesmos), mas acho que só ganhei com você e não perdi nada, ou perdi muito, sei lá, espero que esteja tudo bem então bola pra frente que tem muito tempo pra perder, ou ganhar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.