Break The Muro

Quem corre sabe que as vezes o treino simplesmente não encaixa, semana passada eu estava em um desses dias nas Paineiras e honestamente eu quase voltei pra casa no terceiro quilometro de tão desanimador que estava aquilo…

Num dado momento eis que surge uma pessoa subindo caminhando e meio sem jeito me para para pedir informações de como chegar ao Corcovado (em inglês) conversa vai conversa vem, ele começa a perguntar sobre meus treinos a fim de querer saber mais sobre minha rotina e sobre quais provas tenho em mente, digo que pretendo correr mais uma maratona esse ano e conto minha paixão pelas provas de longa distância (em especial as maratonas). Nesse momento ele dá uma risada e comenta, talvez querendo me dar aquele gás extra para continuar o treino: “bem, eu também sou maratonista, já completei 8 maratonas e uma ultra de 100 quilômetros na Patagônia.” Eu simplesmente tomei um susto e a única reação que pude expressar foi parabeniza-lo e comentar que ele faz parte de um seleto grupo, ele é ultra! Mais uma vez ele me incentiva (talvez por ver que eu estava me arrastando e o tempo estava pouco animador) mesmo com com um português muito fraco ele já em tom de despedida fala exatamente essas palavras: “bom treino amigo, e hoje break the muro.”

Apenas quem pratica esportes entende o significado dessa frase que contém apenas três palavras, mas possui um peso enorme, “O Muro” mora dentro de nossas mentes, na maioria dos casos temos condições físicas, mas psicologicamente não estamos preparados para derrubar esse muro, é preciso treinar duro para ultrapassar os limites que imaginamos ter, treinar sozinho, chegar no auge de nosso esforço, cair várias vezes, entender as fraquezas pessoais e assim conseguir organizar a estratégia perfeita para derrubar esse muro. Quando derrubamos o muro redefinimos limites, evoluímos e conquistamos coisas inimagináveis. Sem dúvida irei carregar essa frase por muito tempo, e espero sempre lembrar dela nos momentos em que as forças se forem, após essa frase eu não pude responder de outra maneira a não ser com um bom e velho “obrigado”.

Naquele diz fechei meus 18 quilômetros de montanha e me senti na obrigação de escrever esse texto, sei que muitas pessoas sentem dificuldades para treinar, não conseguem achar ânimo para ir sem companhia, talvez tudo que essas pessoas precisam é quebrar o muro e isso, apenas elas podem fazer.

Acompanhe mais em @correodin