“… trabalhar com desenvolvimento é bem legal!”

Rubyconf 2016 (peguei essa foto no blog da Plataformatec)

Update set/2018 - Eu postei esse mesmo texto no meu blog pessoal e ficaria muito feliz se você o lesse por lá. Obrigado!

Setembro, Rubyconf Brasil e essa história não começa aqui!

Estava eu na Rubyconf Brasil num momento muito improvável, me encontro conversando com o Renan Ranelli. Estava desenvolvendo software “profissionalmente” a alguns meses e o Renan estava me contando sobre como é começar a programar

E uma das coisas que o Renan falou pra mim foi uma frase que, mesmo que mal guardada dentro da minha cabeça (minha memória é péssima) ainda é um dos melhores conselhos que eu posso passar para todo mundo que, assim como eu, está começando a programar: Depois que passa o sentimento que você é muito ruim e o medo de ser mandado embora, trabalhar com desenvolvimento é bem legal!

E é com base nessa frase que eu vou contar um pouco de como está sendo esse começo!

Oi, eu sou Goku!

Espero que não seja tarde para isso, mas eu me chamo Odinei Ribeiro, tenho 24 anos e aprendi a programar aos 17. Mas só nos ultimos 12 meses que eu descobri que programar não é só ficar dentro do seu quarto com a luz apagada, a noite fazendo programas para você mesmo (Bem, a parte de ficar no quarto, com a luz apagada e programando é verdade)

Eu comecei a programar com Visual Basic num curso técnico que fiz durante o ensino médio. De lá pra cá eu aprendi C#, C um pouco de Java e essas linguagens que aprendemos na faculdade

Programador.new

No final de 2015 entrei num processo seletivo para trabalhar na Locaweb e, numa das fases tinha que cumprir alguns desafios de programação num tal de Ruby on Rails

Ao final dos desafios, seguiram uma dinâmica de grupo na sede da Locaweb e, em Janeiro desse ano, segui para a penúltima fase do processo seletivo foi um curso de 6 semanas na Campus Code, um bootcamp de programação focado em desenvolvimento em Ruby

Um dos primeiros dias na Campus Code, eu estou de preto à esquerda com cara de assustado

O começo foi complicado, tive algumas dificuldades. Muitas até. Conceitos novos, pessoas novas, ambiente novo. Tudo novo! Não vou mentir aqui, pensei em desistir. Mas tive ajuda de pessoas muito importantes, dentre elas, o João Almeida e o Alan Rafael que são os monitores do bootcamp. Eles me deram uma ajuda tremenda indicando materiais os quais eu li muito e comecei a aprender e consegui fazer as minhas primeiras aplicações em Ruby on Rails

Durante o curso, foi a primeira vez que eu tive contato com a tal da “comunidade”

Não, sem essa de aperto de mão secreto…

Acho que a melhor maneira de explicar isso é a seguinte “Quer dizer que existe gente que se junta pra falar de programação? Eu faço isso na faculdade todos os dias há alguns anos! Quando é o próximo encontro???”

Além disso, comecei a usar linux como meu sistema operacional principal. Sem essa de dual-boot. Me obriguei a realmente usar e me virar para resolver as minhas coisas

Além disso, descobri que, mesmo ainda aprendendo como essa coisa toda funciona, mesmo sabendo pouco, consigo ajudar outras pessoas. O que eu sabia já tinha algum valor. Os projetos que eu fiz que estão no github tem valor!

Foi a primeira de muitas vezes que percebi que não existe essa de estar começando agora. Você é um desenvolvedor e tem suas experiências e, acredite, tudo isso tem muito valor

(Ah! Não fui chamado para trabalhar na Locaweb :D)

Olá, eu gostaria de um emprego

Logo, com as minhas recém habilidades em Rails prontas para agir, comecei a mandar currículos para vagas. Fiz algumas entrevistas mas a mais memorável foi para a Petlove. E não foi só memorável porque eles me ofereceram uma vaga como estagiário (a qual preencho até hoje!)

Na sala tinha uns 4 desenvolvedores mais o gerente. Ele viu meu Github e gostou de um projeto que eu tinha postado da Campus Code. Ele clonou o projeto e pôs para rodar na hora! Mas como live-code é algo que nunca iremos entender, o projeto não rodou por não ter os arquivos do banco de dados O.o’

No mesmo dia, algumas horas depois, recebo uma ligação do RH dizendo que fui escolhido para vaga!

Treino é treino e jogo é jogo!

Bom, eu tinha treinado bastante e estava na hora de colocar em pratica. Estava na hora do jogo e lá estava eu pronto (ou quase isso) para encarar o que estava por vir

Não sabia e provavelmente nunca saberei o que é realmente estagiar como desenvolvedor. Desde o começo, nunca fui tratado como um estagiário na Petlove. Foi me passado coisas realmente importantes para fazer não apenas aquela telinha de cadastro simplesinha e sempre tive todo o suporte da equipe de desenvolvimento. Qualquer dúvida sempre foi encorajada a ser pesquisada e testada à exaustão. Ou, como o meu colega de trabalho e líder de equipe na Petlove Wagner Vaz diz “Vai bater cabeça um pouco nisso”

E me orgulho em dizer que de tanto “bater cabeça” tenho evoluído muito trabalhando lá e sempre trabalhando em features que trazem um real valor à empresa e a mim mesmo

Mais um pouco sobre comunidades e eventos

Foi na Petlove que tive a oportunidade de ir no meu primeiro evento de tecnologia. Foi o Amazon AWS Summit São Paulo 2016

Nunca fui assistir um jogo de futebol ao vivo. Mas acredito que a sensação que eu senti foi a mesma. Ví várias, várias palestras muito legais sobre os produtos da Amazon Web Services. Aprendi um monte! Na verdade, sempre aprendo muito indo em eventos!

Depois desse, tive a oportunidade de ir em vários: GURU-SP, ELUG, RubyConf, iMasters Intercon, Google SP Dev Fest, Rails Girls…

Tomei uma verdadeira paixão por ir em eventos, conhecer outros desenvolvedores, conversar, trocar experiências

Eventos, eventos, eventos!

Percebi que as pessoas em eventos querem conversar, trocar experiências. Não importa se você programa à 5 meses ou a 5 anos. Toda troca de experiência é válida. Digo de novo: toda troca de experiência é válida!

Assisti um bom punhado de palestras. Não só sobre Ruby e Rails, mas também sobre JavaScript, Elixir, Crystal, Rust, Angular, React, Firebase, Front-End… e em todas aprendi coisas novas que me ajudam todos os dias seja no trabalho ou programando em casa!

Para ser bom em alguma coisa, você precisa ser ruinzão primeiro!

Vai faltar espaço nesse texto caso eu resolva contar em detalhes tudo o que tem acontecido comigo nesses últimos meses. Mas aqui vão algumas coisas importantes que eu aprendi

  1. É assustador no começo
  2. Continua sendo assustador por algum tempo
  3. É muito mais satisfatório que assustador!
  4. Treine, mas treine muito. Desenvolva sem parar. Apenas a prática vai te levar a perfeição
  5. Converse! Troque ideias! Toda experiência é válida!
  6. Se envolva, vá a eventos. Eventos grandes, encontros, pesquise por projetos no Github. Faça o que for, mas não fique parado!

Bem, eu fico por aqui! Agora, no final, me sinto feliz de tê-lo escrito. Espero que possa ajudar as pessoas que, assim como eu, estão começando nesse mundo de programador de computador!