Ninguém escolhe viver sem escolhas.

Nos encontramos numa dessas urls por aí. 
Por ironia, torcíamos pro mesmo time. 
Mais de 400km de distância, sentimentos parecidos. 
A dor sabe? A dor era igual.
Madrugada e meia de dezembro, conversa indo a fundo entre soar de teclas e mensagens de áudio. 
Frase vem, frase volta. A verdade surge: ela era garota de programa. 
Isso ai. Garota de programa, da noite ou qualquer outro nome raso e objetificado que você costuma dar. 
E não, eu não quis o corpo dela. Eu quis a alma. E ela estava em retalhos.Em frangalhos, em cicatrizes.
“A violência travestida faz seu trottoir”, como costumava dizer o poeta. 
Porque a dor anda escondida entre selfies no espelho, entre decotes e vidas recortadas em redes sociais.

Aquela menina, vinte e poucos anos, e já viu mais sujeira do mundo que eu e você um dia vamos ver.
Coisa de filme, sabe? Não, diretor nenhum iria se arriscar a um roteiro cheio de coisa tão pesada.

E ela ali, com meia duzia de homem bobo, babando em foto, falando besteira, mandando e pedindo nude. 
E aquela menina querendo um colo, querendo abrigo. 
Se não isso, apenas um amigo. 
E eu ali, descobri que meus problemas são da profundidade um pires.

Aquela menina não pode ser menina. 
Tem que ser mulher. De cara sujo, limpo, saudável, doente, novo, velho…
Em um mundo onde o cliente tem sempre razão.
Em um mundo onde a sua moral vai apontar o dedo e dizer “é por escolha”
Ninguém escolhe viver sem escolhas. 
Ninguém deseja ser apenas um objeto de desejo.
Ninguém quer ter a família virando as costas e te deixando dormir numa calçada de uma rua por ai.
Ninguém quer ver seu corpo ao lado de outras meninas em uma espécie de prateleira de mercado. 
Comecei a escrever esse texto, faz tempo. 
Ontem ela me pediu, um texto sobre ela. 
 Um texto? Deu pra sentir? Ela vai ler essas linhas e vai se contentar e achar que isso aqui é alento. 
Ela vai sorrir, talvez essa noite se drogue menos. Isso aí. Se você bebe no primeiro encontro com seu boy do tinder, que você escolheu, pra perder a inibição, imagina quantas doses ela tem que tomar por noite pra ter estômago?
Ela me pediu um texto. 
E eu queria dar uma vida a ela. 
Porque ninguém merece viver assim 
Força aí.

Like what you read? Give Diogo Gregório a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.