Não se deixar levar pela carne (nem no Carnaval)

Carnaval de Jesus ou Carnaval do Mundo?

Esta é a pergunta que não quer calar em nossas igrejas nesta época do ano. Antes de dar minha resposta vou fazer outra pergunta: Se Jesus tivesse se encarnado neste tempo e espaço, em que estamos, em qual carnaval Ele estaria? Está em dúvida leia Mateus 11,19 — “O Filho do Homem vem, come e bebe, e dizem: É um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e dos devassos. Mas a sabedoria foi justificada por seus filhos”. Em minha opinião Ele estaria no carnaval “do mundo”. É fácil ser santo no meio dos santos. Mas se não formos a luz de Cristo onde as trevas dominam de quê adianta a santidade?

Além do mais, o carnaval tem um sentido religioso. Veja, até hoje ele antecede o início da quaresma, ao menos no calendário oficial. E como saber quando cai o carnaval de cada ano!? Lá vai: Primeiro descubra quando cai o domingo de Páscoa. Também não sabe? É sempre o primeiro Domingo após a primeira Lua Nova do outono no Brasil (ou da primavera no hemisfério norte). Determinada esta data, retroceda 46 dias no calendário: 6 dias (Semana Santa) mais 40 dias (Quaresma), pronto você chegou a Quarta-feira de Cinzas. Aí ficou fácil: os quatro dias anteriores correspondem ao período do carnaval. A palavra vem do latim carmen levare ou carnelevarium, que quer dizer “livrar-se da carne”. Tem a ver com o fato de que na Quaresma, desde os primórdios, os cristãos se abstinham de comer carne.

Ainda não está convencido, né? Então vou ousar te dar bases bíblicas. Em Eclesiastes 3 lemos: “Para tudo há um tempo: Tempo para chorar, e tempo para rir; tempo para gemer, e tempo para dançar (v.4)”. Em Juízes 11, 29–40 há uma história interessante sobre sacrifício, claro que não vou contá-la toda, só vou te dar um aperitivo: “Deixa-me que vá sobre as colinas durante dois meses, para chorar a minha virgindade com as minhas amigas” (v. 37). E ainda tem Ester 16, 15–21 (vale a pena pesquisar sobre a festa que os judeus comemoram a partir desta passagem): “Celebrareis esse dia memorável com grande alegria, como uma de vossas solenidades” (v. 22).

Enfim, para o seu carnaval ser “santo” vai depender principalmente da coerência entre a sua fé e a sua vida. O Papa emérito Bento 16 nos diz: “A Igreja tem a vocação de levar ao mundo a alegria, uma alegria autêntica e duradoura…”. Se vivemos o evangelho no dia-a-dia já sabemos o que devemos evitar e para isso não é preciso demonizar aquilo que é são na cultura popular. Agora, como cristão, o mais importante é não perder de vista que você é convidado a empenhar-se nos exercícios de continência, oração e caridade propostos para os tempos sagrados que virão depois dos quatro dias.