Passado, o pior inimigo do mundo

Sim, caro leitor, quantos de nós já não fizemos algo do qual nos arrependemos? Vamos, pode levantar a mão, você não está sozinho nessa. Todos nós vivemos e fizemos coisas das quais a nossa vida seria muito melhor sem… ou será que não?

Questiono, pois eu me remeto ao seguinte pensamento: Não seriam estas experiências que nos tornaram quem somos hoje? Não seriam as coisas ruins que vivemos que nos fizeram as pessoas maduras, sensatas e mais preparadas hoje?

Sim, isso é verdade. Só que, junto à experiência, também vem os traumas.

Traumas são feridas que, como diria a grande e sábia Pitty, não se fecham, não se curam. Não diria que são eternos, pois nada ruim dura tanto. Infelizmente, são dolorosos, nós extremamente difíceis de serem desatados.

Eu,assim como você ou qualquer outra pessoa, tenho traumas. Situações, pessoas ou até menos objetos que me remetem a experiências desagradáveis, frutos de um passado conturbado que nenhuma criança, aos seus 10 anos, deveria ter passado.

Hoje, aos meus 21, posso dizer que tudo ficou mais fácil de se lidar. E não digo por conta da idade, mas sim da companhia. Uma jovem bruxa, ruiva, aos seus recém feitos 24, que também é detentora de uma série de traumas. Traumas, esses, que perduram vigorosamente até hoje. Seria cômico, se não fosse real: Dois soldados feridos, dando a vida para salvar a vida do outro.

Contudo, se não fosse por este mesmo soldado, encontraria-me entregue à desgraça e desolação profunda. Foi ela quem ergueu a mão, e me fez ver que a vida é muito mais do que dor, muito mais do que desespero e descrença de uma vida melhor.

O passado é o nosso maior inimigo, e devemos ficar atentos para que ele não nos engula. Não deixe que digam que tudo é igual, que nada vai mudar.

Tudo depende de você. Depende de mim. Depende de nós.

Levante e lute, soldado, eu te dou cobertura.

Levante!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Pedro Lopes’s story.