baixa um pouco a crista, homem.
não tira da cabeça sua fragilidade:
o que te mata é um meteoro
mas também uma gota de orvalho.

vem mais humilde, homem.
pois se conquistou o céu e foi à lua,
ainda não resolveu a tragédia dos seus
que aos montes morrem de fome.

volta mais à terra, homem.
enxerga você no seu semelhante:
como tudo que vive, um mero mortal,
a quem um e outro se precisam.

lembra de onde veio, homem:
veio da terra e a ela voltará.
e de que terra e dos que vieram dela
é o que mais precisa para viver.