Finalmente, Material Design.

7 apps que você precisa ter (na verdade, PRECISAR não precisa não, mas seria bom se tivesse)

De antemão: os primeiros quatro parágrafos são meramente introdutórios, então, se você só quer saber os aplicativos, desce um pouquinho aí e lê os título grandão em negrito.


H á [quase] exatos 19 meses, a Google anunciava na I/O 2014 — a conferência da empresa para desenvolvedores — um novo padrão visual que eles adotariam pros seus aplicativos: o Material Design. Na época, esse padrão ajudou a impulsionar a [já então crescente] tendência do flat design.

O lance é que eu achei lindo demais o Material, não sei se foi pelas cores, pelas animações, pela ideia, mas foi uma coisa que me agradou imensamente, e desde então, tudo quanto é aplicativo que eu uso, eu tento achar uma alternativa pra ele que use Material Design.

Porém, além da existência de dificuldades técnicas relacionadas à implementação de um padrão de design totalmente diferente num aplicativo já existente, os programadores precisavam fazer a transição entre o padrão antigo (Holo) e o Material de forma gradual, para não comprometer a experiência do usuário — uma mudança muito súbita, por mais bonita que seja, poderia ser estranha ao consumidor e acabar estimulando ele a usar outro aplicativo, mais parecido com o que ele já estava acostumado.

Pois bem, quase 2 anos se passaram desde a chegada do Material Design e, apesar de esse padrão ainda estar longe do que foi mostrado na I/O, hoje já existem excelentes alternativas pra boa parte dos apps que eu uso. Recentemente, eu descobri alguns novos, e são esses que eu vou compartilhar com vocês aqui hoje.


1. Bees Recorder

Eu sempre fui um usuário ávido de um outro gravador de áudio, o Easy Voice Recorder. Apesar de não ser algo excepcional e de não gerar arquivos em .mp3 (as únicas opções eram .wav e .m4a), ele fazia o que prometia: gravava áudios de forma simples e rápida, e gerava arquivos leves (se você usar o .m4a — o .wav é 6x mais pesado).

Esses dias eu descobri o Bees Recorder. Além do Material Design, um dos formatos de saída é .mp3, o que acaba expandindo a quantidade de lugares onde você pode compartilhar o que você gravou (nem todo aplicativo suporta .m4a), além de existirem presets pro tipo de gravação que você vai fazer (gravação comum, música, palestra), e a opção de marcar pontos de interesse ao longo do áudio (à la Soundcloud). O Bees Recorder também oferece suporte ao Android Wear, backup instantâneo para o Google Drive, além de ser totalmente grátis e livre de propagandas.

PS: durante o tempo que eu tava escrevendo esse post, o pessoal do Easy Voice Recorder respondeu um review meu na Play Store, dizendo que estão trabalhando na versão Material do aplicativo, então, vale a pena ficar de olho. Ainda assim, é bom lembrar que o EVR tem propaganda, e a versão Pro — livre de ads e com alguns recursos adicionais — custa R$10.

2. Boxer Calendar

Eu gosto muito de manter minha agenda organizada, e pra isso, eu sempre procurei um app bonito e funcional. “Ah Gabriel ta querendo pagar de ocupadão ne ta se achando o businessman” não, meu, mas é que eu tenho provas, etc, então eu preciso manter tudo certinho.

Já usei o Google Calendar, mas os números não ficam centralizados dentro das bolinhas no meu celular, e isso me incomoda. “Ah Gabriel tu é o que tem toc entao ne” mano cala a boca aí por favor. Já usei o Sunrise, da Microsoft, mas ele não oferece a opção de trocar a cor de um evento específico, e eu faço isso pra categorizar as coisas que eu adiciono no calendário. Por fim, também já usei o Cal, que é incrivelmente lindo, mas não tem um modo agenda, que mostra todos os eventos dos próximos dias, e isso é algo que eu uso bastante, então, não rolou também.

Finalmente, eu encontrei algo que satisfez as minhas necessidades: o Boxer Calendar. A vista padrão já é o modo split (agenda e mês), os números estão centralizados dentro das bolinhas, é possível modificar a cor de cada evento e buscar eventos pelo nome.

Uma alternativa ainda mais Material Design é o Today Calendar, que é bem bonito, mas infelizmente, o split mode não mostra a agenda, e sim, os eventos do dia. Além disso, o modo agenda é um negócio muito feio, mas, se isso não te incomoda, também é um ótimo aplicativo.

3. Cabinet / Solid Explorer

Lembro que o Root Browser foi um dos primeiros gerenciadores de arquivos que eu usei, e na época eu achava ele maravilhoso. Bom, o Material Design veio, e elevou os padrões de todos nós, me fazendo perceber o quão feio era o aplicativo que eu tava usando.

Desde então, eu também passei pelo Sliding Browser até chegar nos dois aplicativos que eu mencionei ali no título. Um deles é grátis, e o outro, gratuito por apenas 2 semanas; depois desse período, você vai precisar comprar a versão completa por R$4 pra continuar usando.

Se você não tem QUATRO reais pra dar num aplicativo, você vai estar bem o bastante com o Cabinet. Eficiente, simples de usar, e apesar de ainda estar em beta, por todo o tempo que eu usei, não me recordo de ter encontrado nenhum bug. Ele oferece suporte a arquivos .zip nativamente, além, é claro, de ser todo desenhado usando o Material.

Se você quer gastar um pouco por algo melhor, o Solid Explorer é o melhor gerenciador de arquivos que o dinheiro pode comprar. Com suporte nativo a arquivos .zip, .rar e .tar, diversas opções de customização (desde as cores até os ícones), suporte a drag-and-drop para organizar melhor arquivos e pastas, painéis horizontais side-by-side pra você alternar entre pastas com apenas um deslizar de dedo, suporte a cloud storage (Dropbox, One Drive, Google Drive, etc), busca indexada pra retornar resultados mais rapidamente, entre dezenas de outros recursos. Meu aplicativo favorito dessa lista, sem dúvida.

4. Feedly

Eu sempre gostei de estar antenado™ nas notícias relacionadas a tecnologia, smartphones e etc (principalmente porque essa é a minha area de estudo), mas como eu tô sem computador há um tempo já, acompanhar os sites que eu acompanhava se tornou uma tarefa complicada de se fazer no celular. Além disso, sempre admirei o pessoal que faz design de UI, logos, branding, e etc, e nunca consegui encontrar um site legal pra ver essas coisas. Tentei usar o Appy Geek pras notícias de tecnologia, mas o layout do aplicativo é terrível, e a categorização das notícias é ainda pior — uma notícia com o título “preço de pratos de porcelana cai 5% na Ucrânia” poderia ser categorizada como uma notícia sobre smartphones simplesmente se o texto do artigo mencionasse essa palavra — como em “os pratos podem ser comprados através do aplicativo da loja para smartphones”.

Tentei também usar o Flipboard para receber não só notícias sobre tecnologia e artigos sobre design, mas também pra uma miríade de outros assuntos. Infelizmente, boa parte do conteúdo era irrelevante pra mim, e eu acabei desinstalando esse aplicativo também.

Me lembrei do bom e velho Feedly, que já é conhecido aí na internet. Com uma aparência minimalista e com notícias [quase] sempre relevantes, se tornou meu aplicativo indispensável pra acompanhar notícias e artigos sobre coisas que eu gosto. Nele você pode adicionar sites específicos ao seu feed, agrupar eles por listas, além de poder conferir as recomendações do próprio Feedly e seguir coleções públicas.

5. Flud

Convenhamos que, ocasionalmente, a gente precisa baixar um torrentzinho, e até pouco tempo atrás, a gente ficava restrito a aplicativos como o BitTorrent e o uTorrent (que, na verdade, é a mesma coisa que o BitTorrent, só que verde).

Felizmente, recentemente foi lançado o Flud, um cliente de torrents para Android, feito seguindo as guidelines do Material Design. O resultado é um aplicativo bem bonito e funcional, com suporte a links magnéticos e feeds RSS. O aplicativo tem uma propaganda na parte inferior, mas não é nada que vá te incomodar, porque você não vai passar muito tempo com ele aberto. Mas, se chegar a esse ponto, custa R$6 pra comprar a versão livre de propagandas.

6. Todoist

Como eu disse ali em cima, eu gosto de me manter organizado, e sempre curti aplicativos que me ajudassem com isso. Um que eu usava até pouco tempo atrás era o Any.do, que era bem clean, e funcionava bem, até, mas eu enjoei da aparência dele e fui atrás de algo mais Material. Lembrei do Todoist, que eu já tinha usado antes mas nunca dei a devida chance, e hoje eu vejo o que eu perdi (nada, na real, mas vamo colocar um pouco de drama aí).

O Todoist permite que você categorize suas tarefas de forma fácil, além de ser simples de reorganizar seus afazeres quando necessário. Tudo isso, claro, além do Material Design que rege a aparência do aplicativo.

O app é livre de propagandas, entretanto, alguns recursos (como comentar e adicionar tags às tarefas) só estão disponíveis para contas Premium — que custa R$79 por ano. Pode parecer caro, mas é o equivalente a pagar R$6,60 por mês; a grande questão é ver se os recursos do Premium valem à pena pra você.

7. Phonograph

Eu já usei players de música que hoje eu olho e vejo como são feios; o Rocket Player e o MediaMonkey são exemplos disso. Nem mesmo o Google Play Music eu achava agradável de usar, então fui procurar alternativas.

Pouco tempo atrás, me deparei com o musiXmatch, um aplicativo maravilhoso que, além de ser um ótimo player de música, te permite editar cada item da sua biblioteca, alterar o nome do artista, trocar a capa do álbum… enfim, recursos pra deixar seu repertório musical muito mais organizado, além de oferecer suporte nativo às letras da música que você tá ouvindo.

Esses dias, porém, eu me deparei com o Phonograph, um aplicativo que eu ouso dizer que é o aplicativo mais bonito que eu já usei. Tem basicamente as mesmas funcionalidades do musiXmatch (exceto as letras), além de uma MAGNÍFICA execução do Material Design. Bicho, sério, você não tá entendendo, parece que esse aplicativo saiu diretamente do vídeo de apresentação do Material, de tão fiel que ele é às guidelines.

Ainda não tive tempo o suficiente pra usar ao ponto de dar um veredito sólido, então, portanto, o musiXmatch segue sendo meu player de música favorito, mas o Phonograph é um forte concorrente.

O único ponto que ainda me deixa assim de usar o Phonograph de vez é que ele não tem o filtro de pastas, então, alguns áudios do Zap® e minhas gravações do Bees aparecem na lista de músicas, embora eu não queira; no musiXmatch, é só eu adicionar as pastas desses áudios e das gravações à lista negra e eles não aparecem mais na lista de músicas.


Esses são os apps que eu descobri. Se você usar e gostar, ou se tiver alguma outra sugestão de aplicativo que não esteja aí, comenta aqui ou me fala lá no Twitter.

Até o próximo post!

Like what you read? Give Gabriel Pinheiro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.