Se é pra ser, seja muito.

Vai lá, se entrega.

Você já deve ter ouvido isso em algum momento da vida, seja pelos amigos incentivando a paquera que você cansa de avisar que será mal sucedida, ou, a mudança de planos quando os seus pais sonhavam que você cursasse o que eles queriam e aí está você, fazendo artes.

Quando você não estava satisfeito com o relacionamento engatado e decide partir para outra, ou até mesmo o incentivo maroto para quebrar padrões que a sociedade insiste em colocar e você cansa de saber que não é bem assim.

Beleza, se joga!

Se jogar é se assumir, é ser você, é se entregar. E a entrega é a manifestação da alma mais incrível que conhecemos, pois é um mix de risco, insanidade, mas também de genuinidade quando a recíproca vem com o mesmo tom, sabor e intensidade que ambos colocaram em jogo.

E se é para se entregar, por que não ser inteiro?

Não tem nada mais elegante que o sorriso largo, um papo leve e simpatia em mesa de bar, mesmo quando você passa da conta e começa abraçar a própria mesa do bar. Você está apenas sendo inteiro e entende que a bebida tem o seu valor sim, mesmo que em determinada época da vida.

Ser inteiro é se desculpar com humildade e ter alguém para chorar quando por um acaso algo te repartiu em dois e te deixou metade. É deixar marcas de lágrimas na camisa nova da pessoa escolhida para chorar no ombro e ela levar numa boa, pois pessoas inteiras não costumam se importar com isso.

Ser inteiro é entrar e sair em todos os lugares se importando não com a condição concreta da estrutura, e sim com a estrutura abstrata do coração das pessoas que preenchem o espaço. Estas sim, costumam ser inteiras e colocam toda a carga de vontade, alegria e disponibilidade em cada recepção.

Pessoas inteiras não se contentam com pouco, mas também não esperam muito de alguém sem antes ter feito muito pela mesma. E é preciso entender que quem só se considera inteiro com alguém caminhando ao lado, deve ter lá os seus motivos. Tem gente que tem alergia de liberdades inteiras, mesmo sabendo que existe amores livres por aí.

É precioso dar muito de si a quem merece e é bonito ser muito em um mundo onde tudo é tão escasso. Pessoas de alma grande são privilegiadas, são inspiradoras e merecem a felicidade plena de se completar a cada novo dia sem nunca perder, sequer, uma parte de si.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.