Faça as coisas

No hall das coisas que eu achava que não faria, junto com as pessoas que eu achava que não seria surgiu uma decisão pra esse ano que tem sido uma das melhores, até agora. A vida inteira eu fui (ainda sou) um procrastinador, quando se trata de assuntos que dão trabalho para serem realizados. Claro que essas coisas só se aplicam a não-urgências, mas, se você pensar direitinho, elas atrapalham sua vida. Esse ano, então, eu tenho tentado mudar esse aspecto. O lema todo é muito simples: get shit done.

Em relação às coisas que eu não achei que faria está o planner que eu uso hoje, o bullet journal (dê um chance: http://bulletjournal.com/ ). A repulsa começava em ter um planner, isso faz parecer que você tem 20 anos a mais de idade e piora quando ele nem é digital, é um caderninho que você tem que anotar coisas e pensar no melhor a fazer todos os dias. Tudo fica ainda mais grave quando você vê o vídeo pela primeira vez e percebe que o inventor fala sobre uma série de símbolos e significados e formas melhores de organizar meses, dias, metas gerais. Acho que você tá achando tão chato e cansativo quanto eu, no começo. Pois é, houve uma resistência até eu decidir comprar o tal caderninho e começar a pensar na forma certa de customizar as dicas pra funcionarem melhor pra mim.

Só que (pra minha surpresa) está dando certo. Existem alguns pontos que eu arrasto HÁ ANOS, como fazer uma carteira de identidade nova e tirar a carteira de reservista (sim). Eu não consegui vencer essas, ainda, mas a luta continua. O importante é que há uma série de momentos em que eu consegui parar, olhar pro meu dia e ver que dava pra fazer aquela tal coisa que eu enrolo desde o ano passado. E que dá pra planejar tal viagem ou visitar tal parente e nem é tão complicado assim.

Todos os dias você precisa pensar o que fazer nesse dia ou no dia seguinte (esses detalhes variam de pessoa pra pessoa) e você se mantém de frente com os seus afazeres. Aqueles que você não realiza vão ter que ser realocados pra outro dia e isso tem um peso (péssimo) na hora de fazer. Você ganha vontade de realizar as coisas e marcar todos x que precisa. Traz paz. Mas, claro, você não precisa usar esse método nem mesmo ter um planner, o que pode te ajudar é só a ideia de pensar em tudo que você tem pra fazer e escolher quando essas coisas podem ser feitas.

Paz, na verdade, é a sensação maior que carrega toda essa história. Depois de terminar algo que adia há um tempo não existe outro sentimento além de paz. Você fica mais leve porque aquilo, por menor que seja, sempre passa pela sua cabeça como algo que “tenho que fazer”. Agora, por exemplo, vou riscar o item “escrever” de hoje e dormir tranquilo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Olavo Ataíde’s story.