Dormir de Braços Cruzados

Eu sempre durmo antes e acordo depois. Só te vi dormindo uma vez. Uma vez e ontem.

Eu estava sem sono e ainda agitada depois de ter lavado um mundo de vasilhas empilhadas na pia. Me deitei, me deitei e te dei um beijo na nuca e, bem baixinho, desejei boa noite, achei que já estaria dormindo. Mas você respondeu, se virou e me beijou.

E, de frente pra mim, você caiu no sono. A fresta aberta da cortina deixava passar um feixo de luz, não sei se da lua ou da casa vizinha… Não faz diferença, toda a beleza da cena (e do mundo) se concentrava em você naquele momento. E, mesmo depois desse tempo, eu ainda me espanto com sua beleza e com quão mais belo você fica a cada dia.

Quem, na face dessa terra, dorme com os braços cruzados?!

É só você! E é só você que demonstra carinho de forma tão genuína e própria que eu, a pessoa mais incrédula do mundo, acredito.

Obrigada por não desistir.