A minha lista de cinco jogos para você focar em 2016!

Prepare-se para 2016. Este ano teremos a primeira leva de jogos totalmente lançados para 8ª geração de games, e eles são muito bons.

Em 2015, tivemos um grande ano, onde no mínimo cinco jogos tinham capacidade de serem escolhidos como Game of the Year. Alguns destes jogos ainda foram lançados para a 7ª geração (Xbox 360, Ps3, etc). The Witcher 3 levou essa honra, mas outros jogos como Life is Strange, Splatoon e Super Mario Maker surpreenderam em meio a franquias fortes como Metal Gear e Fallout.

Já saíram várias listas em sites especializados sobre os jogos mais esperados do ano, mas nessa publicação eu resolvi trazer os meus preferidos, e os motivos deles estarem na lista.

5. The Division (Multi*)

Ame-o ou deixe-o. “Novo Destiny”. O casamento entre Watch Dogs e Ghost Recon? Eu posso dar vários apelidos para o que penso de The Division, mas entenda que na verdade eu tenho medo e excitação pelo que o jogo promete. Anunciado em 2013; adiado mais de uma vez; sofreu downgrade nos gráficos; possível falta de conteúdo; esses são os medos. Vi vídeos de gameplay deste jogo antes e durante a BGS (Brasil Game Show), em outubro/2015, e nada me pareceu bom.

Mas os vídeos que estão por aí mostrando a fase alfa do Xbox One e o gameplay lançado recentemente me fazem pensar: Será que queimei a língua em falar mal deste jogo? Parece que SIM!

Expectativa: 3,5/5

Por que jogar: Multiplayer online (bom para juntar galera e se divertir), com alto nível de detalhamento gráfico, FPS com envolvente combate tático em 3ª pessoa, boa premissa na história do jogo. Já tem preço e está na pré-venda, que te dá acesso ao Beta, que vai começar agora no fim e Janeiro.

4. Quantum Break (Xb1)

Conhece a Remedy Entertainment? É um estúdio de games que existe desde 1995, na Finlândia… De lá para cá, eles fizeram jogos, mas cito só duas franquias: Max Payne e Alan Wake.

A Remedy agora traz um exclusivo para Xbox One, Quantum Break, onde você tem o poder de controlar o tempo, que está rompido. O jogo te permite então escolher diversas opções, que vão mudar o final da história.

OK já viram isso antes. Mas e se eu disser que além do fim da história, você também assiste a um seriado enquanto joga? Não, não é Heavy Rain, calma. Conforme você avança no jogo, episódios de uma série que mostra a perspectiva do vilão e de outros personagens são liberados para você assistir. E não são somente suas escolhas que interferem nisto; tem coisas como itens ‘colecionáveis’ dentro do jogo, que liberam cenas extras! Quantum Break traz gráficos incríveis, como comprovei assistindo ao gameplay na BGS. O sistema de luta e ação do jogo é muito bom também, tente pensar em um The Witcher com a possibilidade de alterar o tempo. No entanto o jogo já foi adiado muitas vezes, o que dá aquela sensação de “será que vai ser bom mesmo?”. Parece que sim, ao menos, foi a sensação que tive ao conversar com o Thomas Puha, PR da Remedy durante a BGS.

Expectativa: 4/5

Por que jogar: Ação intensa nos combates e com várias possibilidades de agir; inovação na forma de contar histórias e jogar sem simplesmente escolher entre final “mal” ou “bom”; qualidade da Remedy em fazer bons jogos!

3. ReCore (Xb1, PC)

OK, agora um baita ‘fan service’. O time que trabalha em ReCore é o seguinte:

Mark Pacini (Diretor Metroid Prime); Keiji Inafune (Criador de Mega Man); Chad Seiter (Compositor de The Legend of Zelda: Symphony of the Goddesses) e Joseph Stafen (Ex-Bungie, trabalhou em Halo e Destiny, escreveu o romance Halo: Contact Harvest).

Com um time desses, se espera muito deste jogo de ação. Nada foi muito mostrado além do vídeo da E3, mas se sabe que você contará com a habilidade de seus amigos robóticos para salvar a humanidade em um mundo pós-apocalíptico. Mas é só isso, ainda estamos muito ‘no vácuo’ sobre esse jogo. Ah, e ele foi adiado, ainda sem data definida para 2016…

Expectativa: 3,5/5

Por que jogar: O nível dos envolvidos na produção do jogo; a qualidade do vídeo de apresentação da E3, com gráficos, música, e história cativantes, jogou o hype lá em cima.

2. Horizon: Zero Dawn (Ps4)

O RPG de ação da Guerrilla Games, mais conhecida pela série Killzone, é para mim, o jogo com mais certeza de sucesso em 2016.

E esse eu vi rodando, ao vivo, na minha frente, e é lindo! Obrigado BGS. Conversei com o Daimion Pinnock, da Sony America depois da apresentação, e só não fui lá tomar o controle dele para tentar jogar por que ele é muito grande, parece o Mr. T! #Tenso.

Não falei que parece o Mr. T? Mas é muito gente boa.

Pinnock respondeu a várias perguntas, não só a minha, mas quando eu o procurei depois ele disse que o jogo é muito bom, e essa gameplay é muito pouco perto do que o jogo oferece.

É uma nova franquia, de um estúdio que tem qualidade (Guerrilla), e a Sony aposta muito nela. A história é muito bem baseada, e a ideia de misturar dinossauros robôs, tecnologia, e uma nova civilização tribal “neolítica” (fim da idade da pedra) em 1000 anos do nosso futuro é muito bem feita. O mundo aberto, gráficos ótimos com cenário que se destrói e influencia o seu combate; a inteligência artificial que faz seus inimigos não caírem em um mesmo tipo de armadilha duas vezes! Tudo isso foi bem fácil de ver com o jogo rodando. Fora isso, temos Aloy, que com certeza será uma personagem forte, do nível de Lara Croft, para essa nova geração. Quando perguntei a Pinnock sobre o vasto mundo aberto e montarias, ele deu uma risada, e disse “não dá para divulgar isso, mas com certeza você vai ter como se locomover”. Espero um dinossauro robô de montaria!

Expectativa: 5/5

Por que jogar: Pelo que vi do jogo rodando, é fácil dizer que parece uma mistura de Tomb Raider com The Witcher e dinossauros robôs, além de disputas tribais, com combate rápido misturando velocidade e stealth. Aloy é uma personagem linda. É motivo para comprar um Playstation 4!

Obs.: O gameplay abaixo foi o que vi rodando na BGS, e depois foi a publico na PGW (Paris Game Week). Segundo Pinnock, todo o mapa que você vê no vídeo é parte real do jogo.

O MAIS ESPERADO DE 2016: DOOM (Multi)

DOOM. Isso já é suficiente para justificar qualquer coisa. O terror, a necessidade de ser ágil, esperto, a falta de munição, a vida que não é infinita! Multiplayer frenético, dificuldades dos jogos de velha guarda, voltando! Tenho certeza que além de uma boa história me dando motivos para enviar os demônios de volta ao inferno com uma serra elétrica, o jogo promete um multiplayer que vai me prender por horas e horas de jogo.

DOOM é sem comparação.

Expectativa: 9000/5

Por que jogar: Porque é DOOM, e DOOM é vida! Quer dizer, é sangue, destruição, terror, morte e demônios, ou seja, pura diversão!

Hoje eu encerro por aqui. Não sem antes deixa uma lista de vários outros jogos que me chamam a atenção.

Se você gostou deste texto, recomende, compartilhe e comente!

*Multi: Jogos de Multiplataforma (Xb1, PS4, PC, etc)

***Lista de jogos a serem lançados em 2016 que você vai querer dar uma olhadinha***

Dark Souls III (Multi)

XCOM 2 (PC)

Mighty No. 9 (Multi)

Unravel (Multi)

Street Fighter V (Ps4, PC)

Deus EX: Mankind Divided (Multi)

Mirror’s Edge Catalyst (Multi)

Uncharted 4: A Thief’s End (Ps4)

Star Fox Zero (Wii U)

Ratchet & Clank (Ps4)

Final Fantasy XV (Xb1, Ps4)

Fable Legends (Xb1, PC)

Gears of War 4 (Xb1)

Gigantic (Xb1, PC)

Halo Wars 2 (Xb1, PC)

No Man’s Sky (Ps4, PC)

Outlast 2 (Multi)

Ark: Survival Evolved (Multi)

Attack on Titan (Ps3, Ps4, PC)

Bravely Second: End Layer (3DS)

Pokémon Red/Blue/Yellow (3DS eShop)

Far Cry Primal (Multi)

Hitman (Multi)

EA Sports UFC 2 (Xb1, Ps4)

Cuphead (Xb1, PC)

Dishonored 2 (Multi)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.