Como não dar feedback

Dias atrás eu estava visitando uma empresa de um cliente e presenciei uma cena do cotidiano empresarial, um supervisor dando um feedback para um funcionário.

Até aí tudo bem, mas o que me deixou intrigado (e de certa forma desconfortável) foi a forma com que se deu o fato.

O supervisor estava reclamando em alto e bom tom sobre o horário de trabalho da pessoa (que havia chegado 1 hora mais tarde) e que ela deveria chegar mais cedo pois os clientes ligam e não encontram ninguém para os atender. O funcionário se justificou dizendo que havia saído 1 hora mais tarde no dia anterior e por isso bla bla bla… Enfim, a conversa fluiu num tom não muito amistoso e desconfortável por uns 5 minutos, onde todos numa sala com umas 15 pessoas puderam acompanhar atenciosamente.

Não sou um expert em dar feedback e nem um guru da liderança mas a forma como este supervisor fez foi contra todas as recomendações já bastante mastigadas em vários livros e centenas de artigos encontrados na internet.

Não vou me prolongar aqui para não repetir ou criar outro artigo sobre a arte de dar feedback, mas em resumo, o supervisor deveria primeiro ir a um local reservado para conversar com o funcionário, isso evitaria a exposição. Levantar a voz também não ajuda, ainda mais se a outra pessoa se vir no direito de falar alto também.

Feedbacks, ainda mais quando são negativos, nem sempre são recebidos com disposição ou boa vontade pelos funcionários então é necessário ter cuidado e, mais que isso, conhecer bem a personalidade da pessoa que estará recebendo o feedback para saber como abordar a questão sem criar maiores problemas.

Encontrei alguns artigos sobre a arte de dar feedback. Vou deixa a lista abaixo a quem se interessar. Eles se repetem e se completam.

http://www.rhportal.com.br/artigos/rh.php?idc_cad=uojqhzro3

http://www.lemeconsultoria.com.br/a-arte-do-feedback/

MF

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.