Morto-vivo

Um rato arranca o meu olho esquerdo, acordo, ele urina no ferimento. Não tenho tempo para trivialidades. Uma brisa gelada percorre pela casa. Ninguém está comigo, não tem comida nos armários. Os pensamentos falam alto demais, os vizinhos podem escutar. Escorre sangue preto pelo buraco do meu olho.

Encontro Deus no gramado, ele está caído. Ofereço ajuda, ele chora. Por que o céu continua negro? Nunca pude ter um bom sono. Tudo se desfaz em minhas mãos. O caminho que sigo é o caminho que escolhi. Eu vomito reclamações, o arrependimento infeccionou o meu cérebro. Tudo está tão podre dentro de mim! Não existe médico para uma doença assim. O meu coração febril espreme para bombear esgoto.

As sombras riem. Elas se divertem em ver um zumbi decomposto andando pela casa toda como um louco. Um grito de horror! Mais risadas. Um lamento profundo, o choro sangrento de um miserável. Pus escuro escorre de todos os orifícios. Da janela, o céu fica ainda mais negro. A chuva pesada cai com violência e se torna apenas um com os pensamentos. O mundo inteiro ganha peso, mas eu nunca fui forte. Rasgo meu peito e vejo meu coração podre, batendo sem explicação. Tudo ao redor jamais terá cor novamente.

Reviso minhas memórias. Larvas se alimentam do meu ferimento sujo. Para onde vai uma alma morta? Talvez para uma mansão abandonada, talvez para lugar nenhum. Sentado numa cadeira desconfortável, martelo um prego enferrujado na carne no fundo do buraco do meu olho, meu sangue preto se mistura com inseto morto e encharca todo o meu rosto. Determinado, prossigo com o trabalho, sinto a ponta gelada do prego cutucar meu cérebro. Uma dor aguda toma conta do meu corpo, e acredito que este seja o sinal, com toda força que me resta, dou a última martelada.

O meu corpo sujo e podre sendo comido por insetos. A imagem mais sincera da liberdade plena. O mau cheiro, um sorriso numa boca pálida. Talvez seja encontrado uma semana depois. A cena em que a chave de um grande cadeado foi usada. As sombras que se dissiparam. O plano ideal foi concluído, da forma como deveria ser.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.