Vida

Só nasci
quando me descobri
preto
É triste ver
que
no gueto
A cultura se perde
e se vive inerte
ao descaso intelectual

Só nasci
quando vi
que minha cor
Vinha com mais que
repressão
e dor

Só nasci
depois de ver
que tudo se encaixava
Que quando a música
tocava
Quando o canto soava
me arrepiava

Só nasci
quando percebi
que não é errado
Meu jeito
meu gosto
meu cabelo enrolado

Só nasci
quando notei
que morri muitas vezes
Ao negar as raízes
aceitar os deslizes
dos que tentaram me moldar

Hoje
já que sou vivo
consciente
exigente em meu crivo
corro pelo amor
luto pela cor
pra que possam
também
conscientes lutar.